Professor indígena morre após ser espancado

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

A morte do professor indígena, Marcondes Nanblá, conhecido como Marquinhos, chocou um grupo de amigos que pedem justiça nas investigações. Ele era morador da reserva Laklãnõ Xokleng, em José Boiteux e segundo relatos, ele foi brutalmente assassinado na cidade de Penha, na madrugada de segunda-feira (1º). Ele foi encontrado desacordado na Avenida Eugênio Krause, apresentava diversos ferimentos na cabeça, com sangramento no ouvido e com suspeita de traumatismo craniano. Marcondes chegou a ser encaminhado com vida ao Pronto Atendimento local, mas não resistiu e morreu na tarde de terça-feira, 02/01.

Não se sabe a motivação e os detalhes da morte. Nas redes sociais, amigos relataram que ele teria sido espancado até a morte. “Exigimos investigação pelo morte brutal do nosso querido amigo e parente professor Marcondes Nanblá do povo Laklãnõ xokleng”, escreveu a amiga Ana Patte em seu perfil no Facebook. Marquinhos estudou Licenciatura Intercultural Indígena na Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, era ativista das causas indígenas e um dos maiores estudiosos da língua xokleng.

“Vemos cenas como essas diariamente no sul do país, como o caso de Vitor Kaingang, assassinado brutalmente em 2015, e nada é feito pelas autoridades. Não sabemos por certo como ocorreu, só se sabe que ele foi espancado brutalmente até a morte, chegando a ter sua cabeça esmagada, exigimos justiça e investigação por parte das autoridades!” Completou Ana, que é estudante de antropologia social na UFSC.

TEXTO: Alexandre Salvador

 

 

Comentários