Inaugurada há um ano, praça é interditada em Taió

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

A Prefeitura de Taió interditou parte da Praça João Machado, no centro. Tábuas foram colocadas na entrada de acesso ao deck de madeira que foi construído às margens do rio Itajaí do Oeste. Várias peças do assoalho do deck estão apodrecendo, funcionários da prefeitura faziam constantemente a troca  das peças quebradas, desde a inauguração. Moradores também reclamaram que fios de energia elétrica estão expostos no chão, depois que parte da iluminação de de piso para jardim residencial foi danificada por vândalos. Várias lâmpadas foram quebradas e outras furtadas.

A água  parada no chafariz central é outra preocupação dos usuários da praça. Sem funcionar, o local pode fomentar a proliferação do mosquito e focos de larvas de mosquitos transmissores de doenças contagiosas. O assunto foi abordado no programa Linha Aberta da Rádio Taió FM (87,9), na última sexta-feira, ao meio dia. Na mesma  tarde, uma equipe da prefeitura iniciou os reparos no chafariz, um caminhão dos bombeiros, auxiliou na limpeza. 

O que diz a prefeitura

O diretor do departamento de Planejamento da prefeitura de Taió, Alcides Rochi disse que a empresa responsável pela obra foi notificada pela prefeitura por colocar material de baixa qualidade. A madeira utilizada foi eucalipto, como previa o edital.

“Só que apodreceu muito rápido, a madeira possui bastante brancal, característica de baixa qualidade”. O caso está no departamento jurídico da prefeitura que elaborou a notificação da empresa, alertou Ronchi. “Na realidade a empresa fica responsável pela obra por cinco anos”, justificou.  

Sobre o chafariz, Ronchi disse que está desativado, porque queimou, devido as trovoadas no início do ano. “Agora o Caetano (eletricista da prefeitura) conseguiu recuperar o motor ali, agora estão revisando o chafariz”, relatou. Sobre a qualidade das luminárias de piso, que estão danificadas ou foram quebradas  por vândalos, Alcides argumentou que o prefeito Almir quer reformular todo aquela iluminação.

“O material colocado é o mesmo que estava no projeto, antes da licitação, mas o povo de Taió é muito mal educado. Tenho até vergonha de ser taioense quando vejo isso, são três ou quatro que fazem isso, mas sai do bolso de todos”.

Para coibir o vandalismo, a prefeitura estuda instalar câmeras de vigilância ou colocar um guarda noturno. Sobre  a paralização das obras do palco com Concha Acústica, Ronchi disse que a empresa aguarda a conclusão da colocação da estrutura metálica, que é outra empresa que está executando.

Já as fossas sépticas que foram instaladas na beira do rio, Alcides disse que as mesmas foram autorizadas pelos órgãos ambientais. E que como o município não possui rede de tratamento de esgoto, vai tudo pro rio. “Esse é um projeto da Caixa que precisa ter a licença ambiental, então, o projeto foi aprovado pela Fatma, e não é só a fossa séptica, há um filtro, depois vai pro rio, como todo esgoto da cidade, já que não temos, ainda, uma rede de tratamento de esgoto”, finalizou.

A revitalização

“A tão sonhada revitalização da Praça João Machado, em Taió, está bem próxima”. A frase é do ex-prefeito Hugo Lembeck, dita em março de 2015. Foi quando a prefeitura lançou o edital para a revitalização da “pracinha”, que fica próxima a Câmara de Vereadores.

A obra foi realizada através de um convênio entre o Ministério do Turismo e a Prefeitura  que anunciou o valor de R$ 661.202,35, fora o valor aditado. A empresa teria 120 dias para concluir a obra, mas só finalizada, um ano e quatro meses depois, em dezembro de 2016.

O antigo palco e o quiosque foram demolidos e os equipamentos de ginástica para idosos foram retirados. A nova praça previa inicialmente, que os decks seriam construídos junto com a lateral e passagem de pedestres da ponte sobre o rio Taió.

Durante as obras de revitalização, vereadores já haviam questionado a administração sobre a construção dos decks de madeiras sobre os rios Taió e Itajaí do Oeste. Principalmente sobre a segurança, já que a praça é reduto de crianças. As reformas não contemplaram a reforma dos muros que protegem a praça do rio, nem o novo palco.

Mesmo antes de finalizar a revitalização, a prefeitura já anunciava a construção da “Concha Acústica da Praça João Machado da Silva”. A obra, orçada em 230 mil reais, servirá para apresentação de várias peças teatrais, musicais e outras peças do gênero.

A planta da obra foi desenvolvida pela equipe da AMAVI e os custos da mesma, são recursos conquistados através do deputado federal Peninha, via Ministério do Turismo.

Convênio garantiria construção da ponte estaiada


Em maio de 2012, precisamente dia 14, a prefeitura de Taió e o Governo do Estado, assinaram um convênio no valor de R$ 266,7 mil para a construção de uma ponte estaiada. A ponte sobre o Rio Itajaí do Oeste, no centro do município, seria exclusiva para  para pedestres. O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Regional, destinou recursos no valor de R$ 200 mil, com a contrapartida de R$ 66,7 mil da prefeitura.

A ponte ligaria o centro da cidade (Praça João Machado da Silva) ao Bairro Victor Konder (proximidades da Igreja Quadrangular). Teria 77,06 metros de extensão e 2,50m de largura. No projeto, haveria dois mirantes para o rio, iluminação especial, sistema de aterramento e para-raio. A ligação beneficiaria especialmente os moradores do Bairro Victor Konder que terão o acesso rápido ao centro da cidade. Dois moradores do bairro, doaram parte de suas terras para a execução da obra, que até agora, não foi iniciada.

TEXTO: Alexandre Salvador

 

 

Comentários