Processo contra prefeito de Ituporanga é arquivado

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Câmara de Vereadores de Ituporanga arquiva processo contra prefeito Lorinho por suposta quebra de decoro. Em sessão que durou mais de duas horas vereadores aprovaram por sete votos a quatro a extinção do processo.

A comissão formada pelos vereadores Marcelo Machado (PP) presidente, Adriano Coelho (PP) membro e Leandro Heinzen (PSB) relator, investigaram a denúncia contra o prefeito Osni Francisco de Fragas “Lorinho” que pedia sua cassação por quebra de decoro. Na sessão de segunda-feira (26), o relator Leandro Heinzen (PSB) apresentou relatório pedindo o arquivamento da denúncia.

Na justificativa, Heinzen destacou que as acusações apresentadas, no último dia 7 de fevereiro pelo cidadão Marcos Orlando Cordeiro Filho, não tem elementos suficientes que assegurem que o ato que o prefeito cometeu, são provas passíveis para um pedido de cassação. O pedido teve como base um vídeo, que viralizou na internet, onde o prefeito foi flagrado urinando no pátio de uma lanchonete.

Na leitura do parecer, o relator disse que faltaram provas que deixassem claro e até comprovassem a quebra de decoro por parte do prefeito. Segundo ele, nos argumentos utilizados no pedido de cassação constam ainda processos que já estão sendo julgados pelos órgãos competentes, não sendo dever e nem direito do legislativo pré-julgar, já que se tratam de casos mais antigos e que precisam ser decididos em outras esferas.

“Faltaram provas suficientes que comprovassem a ruptura da ordem decorosa que se deve portar um agente político, não havendo fundamento necessário para a continuidade do presente processo de cassação de mandato” finalizou.

Votaram a favor do arquivamento do processo os vereadores, Mário César Hillesheim (PSDB), José Eudes Damann (PSDB), Jaime Roberto Sens (PSDB), Marcelo Machado (PP), Adriano Coelho (PP), Rodolfo Stadnik Filho (FUK) (PP) e Leandro Heinzen (PSB). Pela continuidade das investigações votaram apenas os vereadores do MDB, Édio Daniel Fernandes (Édinho), Claudinei Eyng (Beleco), Diogo Gastaldi e Almir Schaffer (Titi).

TEXTO: Erlon Carlos

Comentários