Juízes param em defesa de ‘penduricalhos’

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Juízes federais e procuradores de todo o país entram em greve nesta 5ª feira (15.mar.2018) pela continuidade do pagamento de auxílio-moradia à categoria. Os atos devem ocorrer em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Salvador e Belém.

O auxílio-moradia, benefício mensal de R$.4.377, é pago a magistrados e membros do Ministério Público, mesmo que tenham residência na cidade onde atuam.

Inicialmente, a paralisação havia sido convocada pela associação de juízes federais (Ajufe). Depois, ganhou apoio da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República), da ANPT (Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho) e da Anamatra (Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho).

As associações dizem que 1 possível corte do benefício seria uma forma de discriminar o trabalho da Justiça e do Ministério Público.

A paralisação foi convocada por causa da entrada em pauta no STF (Supremo Tribunal Federal) de liminares concedidas por pelo ministro Luiz Fux que garantiram o pagamento do auxílio-moradia aos magistrados do país e, por paridade, aos membros do Ministério Público também.

As organizações dizem que a magistratura está sob “ataque insidioso” por causa de operações de combate à corrupção. Uma das formas de retaliação, segundo as associações, seria o corte do benefício.

Elas também criticam a não aprovação de recomposição do subsídio dos juízes e a aceleração da tramitação do projeto de alteração da lei de abuso de autoridade.

Comentários