Projeto propõe que oficiais da PM possam ficar na ativa até os 65 anos

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Hoje, o Estatuto dos Policiais Militares de Santa Catarina prevê que os oficiais que atingem os 59 anos de idade deixem o serviço de forma expulsória. Não são aposentados no sentido literal da palavra, mas vão para a reserva remunerada.

Preocupado com o que considera um desperdício de conhecimento, experiência e inteligência militar, o deputado estadual Jean Kuhlmann pediu nesta quinta-feira, dia 05, o apoio dos colegas parlamentares para a aprovação de matéria que pode mudar a situação.

Ele apresentou em março o Projeto de Lei Complementar 0005.1/2018, propondo alterações na Lei n° 6.218, de 1983, que dispõe sobre o Estatuto dos PMs catarinenses. A alteração básica é a ampliação da idade limite para que o oficial passe para a reserva, que passa de 59 para 65 anos.

“Conheço pessoas que tem uma capacidade de trabalho muito grande, mas chegam aos 59 anos e são obrigados a sair da corporação. Minha ideia é que as pessoas que estão no auge da sua inteligência militar, no auge da sua inteligência de estratégia de polícia não sejam obrigados a sair da corporação nesta idade. Caso elas queiram contribuir mais poderão, voluntariamente, seguir na ativa até os 65 anos”, explicou Kuhlmann na tribuna da Assembleia Legislativa.

O deputado lembrou que a forma de entrada do oficial na PM também mudou. Hoje, além de ter graduação, o candidato não tem mais o limite de 24 anos como idade para ingressar na corporação. Hoje, a pessoa pode ingressar no quadro de oficiais com 30 anos. Jean entende que, com a mudança na idade limite para entrada, também é justo ampliar a idade limite para a reserva.

“Com isso, o Estado economiza, claro. Mas não é só o lado da economia. O Estado aproveita melhor as pessoas nas quais investiu com treinamento, com preparo, qualificação, e que chegam aos 59 anos e são obrigados a ir para a reserva. Com esse projeto de lei, ele vai poder ficar um pouco mais de tempo na ativa, com um grande benefício para a sociedade”, complementou o parlamentar.

O projeto está tramitando na Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia, na qual deve ser votado nesta terça-feira, dia 10/04.

Comentários