SC tem ministro do turismo, mas não tem secretaria

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

O catarinense Vinicius Lumertz, presidente da Embratur, vai assumir o Ministério do Turismo.  Ele substitui Marx Beltrão, que deixou o cargo na sexta-feira (6) para concorrer as eleições em outubro. Lummertz foi secretário de Turismo de Santa Catarina e presidente da Embratur nos governos Dilma Rousseff e Michel Temer. A nomeação deve ocorrer na próxima semana.

Durante sua gestão à frete da Embratur, ele foi responsável por articular com órgãos do governo a dispensa de visto para turistas estrangeiros durante as Olimpíadas, a implantação de visto eletrônico para turistas de Estados Unidos, Canadá, Austrália e Japão.

Lummertz é formado em ciência política pela Universidade Americana de Paris, pós graduado na Kennedy School, da Universidade de Harvard. Antes de trabalhar na Embratur, foi secretário Nacional de Políticas do Turismo do Ministério de Turismo, em 2012.

A notícia da posse de Lummertz, deverá forçar o Governador de SC, Eduardo Pinho Moreira, a mudar de ideia de extinguir a Secretaria de Turismo, Cultura e Esporte (SOL). “A Santur será a responsável por divulgar Santa Catarina no que diz respeito ao turismo, e as funções administrativas da pasta estarão vinculadas ao gabinete do governador”, afirmou Pinho  em encontro com empresários no dia 20 de março, em Florianópolis.

Segundo o governador, a medida visaria a diminuição de gastos públicos. Com o fechamento da secretária, as responsabilidades pelas áreas ficam com a Santa Catarina Turismo (Santur), com a Fundação Catarinense de Cultura (FCC) e com a Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte). Mas, enquanto as últimas são fundações e contam com autonomia para administrar os setores, a Santur é uma empresa pública. O governo não explicou como as responsabilidades da pasta serão transferidas para a Santur.

O apelo do ex-titular da pasta, deputado Leonel Pavan (PSDB), e do futuro ministro, indicado pelo PMDB Catarinense, fez com que Pinho recuasse. Mas ele vai exigir a redução do número de comissionados. O governador não apresentou nenhum nome no momento.

 

Comentários