Definido novo traçado da rodovia que vai ligar Rio do Oeste a Taió

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Foi apresentada pela secretaria de Estado da Infraestrutura, propostas para construção de uma nova rodovia que vai ligar Rio do Oeste a Taió. O trecho, suprime a estrada já existente e que é constantemente afetada por inundações – SC 350. A nova rodovia, teria um percurso com 10 quilômetros menor.

De acordo com especialistas da Secretaria de Estado, o projeto deve ser apresentado em até seis meses. Para o Deputado Estadual, Milton Hobus (PSD), a nova estrada vai possibilitar mais agilidade e segurança aos usuários BR 470 e da SC 350, que aguarda a pavimentação a décadas. “Já esperamos pelo menos cinco décadas pela obra e agora com essa proposta recebida, temos que comemorar por ter um traçado pré-aprovado e longe de cheias,” destacou.

O Deputado Estadual, Aldo Schneider (PMDB) também enfatizou a importância da construção dessa rodovia. Conforme o parlamentar, é um desejo de toda a Região. Para Schneider das propostas apresentadas, a escolhida é consenso, pelo fato que não interfere na vida das pessoas, evita pontos de alagamento.

A parceria entre Milton Hobus (PSD) e Aldo Schneider (PMDB), no parlamento catarinense tem possibilitado que projetos como esses avancem. Tanto que na mesma audiência com o Secretario de Estado, Paulo França, além da confirmação de tornar esse projeto realidade, foi discutidas outras demandas do Alto Vale. Uma delas é a finalização da pavimentação asfáltica entre Rio do Sul e Presidente Getúlio.

Após receber o histórico da obra, panorama do trecho faltante, que são dois percursos de Serra, França se comprometeu em avaliar o processo e dar continuidade nos serviços, conforme previsto. A obra teve início quando Hobus ainda era prefeito, de Rio do Sul e houve contrapartida do município para realização dos serviços. O mesmo aconteceu com Presidente Getúlio. As obras fazem parte de ações que visam reduzir o fluxo pela BR 470, que hoje já não absorve mais o volume de tráfego diário.

Comentários