UPA de Rio do Sul retorna ao atendimento 24h

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Agora com credenciamento, unidade tem financiamento por parte do Ministério da Saúde, tornando viável o atendimento sem interrupções

A população de Rio do Sul contará a partir de domingo (15), com a Unidade de Pronto Atendimento aberta 24 horas. É que desde março do ano passado, o espaço teve horário reduzido já que o custo deste serviço estava acima da capacidade de orçamento da Secretaria de Saúde. A solução foi encaminhar o credenciamento junto ao Ministério da Saúde, que após um ano de tratativa, garantiu repasse mensal de R$ 170 mil para custeio.

Desta forma, a UPA volta ao atendimento 24h, sem intervalos inclusive para fins de semana e feriados. A unidade ganhará mais uma equipe de trabalho com dois médicos, dois enfermeiros, um técnico em enfermagem, um auxiliar de enfermagem, além de responsáveis por administração e limpeza.

A conquista do credenciamento foi motivo de grande empenho no último ano. O prefeito José Thomé manteve contato permanente com a equipe técnica do Ministério da Saúde e inclusive foi tema de reunião com o ministro Ricardo Barros no ano passado. “Buscamos esta forma de custeio pois a UPA aberta 24h e sem o credenciamento era inviável para o orçamento da prefeitura. A população entendeu. Neste período em que houve horário reduzido, continuou tendo com atendimento digno, cuidadoso e humanizado. E é desta forma que continuará nos próximos dias, agora sem ser mais fechada”, explicou o prefeito Thomé.

De acordo com a secretária de Saúde, Sueli de Oliveira a unidade vai funcionar com dois médicos por período, podendo resolver grande parte das urgências e emergências. Com isso, ajuda a diminuir as filas nos prontos-socorros dos hospitais. “Temos uma equipe muito competente trabalhando na UPA. O trabalho é muito bem avaliado presta um auxílio necessário” afirma.

Inaugurada em setembro de 2016 mas sem estar credenciada junto ao Ministério da Saúde, a unidade era gerenciada por uma organização social e custava cerca de R$ 445 mil por mês. Em março de 2017 o governo decidiu assumir o controle e reduzir o horário de atendimento durante a madrugada para otimizar os custos e ampliar serviços de prevenção, como o programa Saúde do Trabalhador e Mutirões de exames e consultas com especialistas.

TEXTO: Clóvis Eduardo Cuco

 

Comentários