Brasil compra R$ 39 milhões em contêineres para abrigar venezuelanos

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Em meio às pressões do governo de Roraima para fechar a fronteira e barrar a entrada de imigrantes venezuelanos, a acolhida às vítimas da crise humanitária repercutiu nas contas públicas por meio da encomenda de quase R$ 39 milhões em contêineres.

O aluguel das peças foi encomendado pelo Ministério da Defesa a duas empresas, a Multiteiner e a Artex. Os empenhos foram feitos até 17 de abril, num período de pouco mais de um mês, desde que o presidente Michel Temer editou medida provisória destinando R$ 190 milhões para a assistência emergencial aos venezuelanos.

Pesquisa nas notas de empenho (primeiro passo na liberação do dinheiro) identificou modelos diferentes e preços que variam de R$ 5.000 a R$ 13.604,75. São contêineres para o alojamento de oito indivíduos, com instalações hidráulicas e elétricas, containers frigorífico, escritório e sanitário com banho, por exemplo. Por um valor médio de R$ 9.302, o dinheiro destinado à locação de contêineres até agora seria suficiente para mais de 4 mil unidades.

Os contêineres são, sem dúvida, o principal item da ação orçamentária intitulada “Assistência emergencial e acolhimento humanitário de pessoas advindas da República Bolivariana da Venezuela”. Eles são o destino de 88% dos empenhos registrados. A contabilidade já desconsidera os empenhos que foram cancelados no período.

A Contas Abertas questionou o Ministério da Defesa sobre onde seriam instalados os contêineres. A assessoria da Força Tarefa Logística Humanitária no Estado de Roraima, conhecida como Operação Acolhida, informou que, até aquele momento, 52 contêineres haviam sido instalados nos abrigos de imigrantes e em áreas de apoio a esses abrigos. As prefeituras de Boa Vista e Pacaraima cuidam de disponibilizar os locais para receber os venezuelanos.

Informou ainda que, apesar de caracterizada situação emergencial, a Base de Apoio Logístico do Exército no Rio de Janeiro, que centraliza as operações, tem realizado licitações para a locação dos contêineres.

A Agência a ONU para Refugiados (ACNUR) calcula de 1,5 milhão de venezuelanos tenham sido obrigados a fugir do país em busca de assistência humanitária. De acordo com o Comitê Nacional para os Refugiados do Ministério da Justiça, os venezuelanos responderam por 53% dos pedidos de refúgio registrados no ano passado: 17.865.

Comentários