Anuncie aqui!
Publicado há 16:02 | Atualizado em 22/03/19 às 06:03

Casan: Agrotóxicos encontrados na água estão abaixo do permitido

ESCLARECIMENTO

Em áudio, o Engº Sanitarista e Ambiental, Rangel Barbosa  esclarece alguns pontos levantados por meios de comunicação. Ele também é superintendente regional da Casan em Rio do Sul.

A CASAN informa que os relatórios da saída de tratamento de água das suas estações, relativo a análises de agrotóxicos, apresentam parâmetros bem abaixo dos exigidos pela legislação federal. Sendo assim, a água distribuída pela Companhia à população está completamente dentro dos níveis de potabilidade exigidos.

Estranhamente, reportagens veiculadas nesta sexta-feira trazem laudos com resultados muitas vezes abaixo dos limites máximos tolerados, como é o caso dos registrados no município de Rio do Sul, por exemplo, em que a substância tebuconazol aparece com índices 1.314 vezes abaixo do limite. Uma outra substância, a simazina, aparece 71 vezes abaixo do tolerado; o diurom está com índices 1.250 vezes abaixo do limite permitido. E outros.

Para esclarecimento da população e da imprensa é preciso destacar que o próprio Ministério da Saúde admite concentrações de agrotóxicos na água, tanto que estabelece que produtos e quais as suas concentrações.

A CASAN monitora permanentemente a qualidade de sua água justamente para garantir os padrões exigidos pela legislação e manter as condições de segurança hídrica e de saúde pública.

Nenhuma análise da Companhia chega próximo do limite máximo permitido. No Estado, a Companhia realiza um total de aproximadamente 180 mil análises anuais para garantir a potabilidade da água tratada nas nossas 365 unidades de tratamento.

A empresa disponibiliza seus laboratórios para visitas e eventuais comprovações desta potabilidade, bem como coloca à disposição os relatórios para consultas junto aos bioquímicos, químicos e engenheiros responsáveis.

A Companhia lamenta o tom do material distribuído à imprensa nesta sexta-feira, pois está gerando preocupações desnecessárias e não condizentes com o produto distribuído pela CASAN, direcionando a população a consumir água industrializada, mais cara ou de fontes não confiáveis.