Secretário de Colombo e Pinho Moreira, que está preso, vai deletar

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

O ex-secretário adjunto de Estado da Administração, Nelson Castello Branco Nappi Júnior, um dos presos na Operação Alcatraz, começou a revelar informações sobre o suposto esquema de corrupção na secretaria e na Epagri.

Uma fonte ligada a Polícia Federal revelou ao Jornalista Marcelo Lula, do portal SC EM PAUTA, que se as revelações de Nappi forem consistentes, poderá ser avaliada a homologação de uma delação premiada. Ele é considerado o centro da operação, principalmente pelos cerca de 8 anos em que esteve como adjunto da Administração, além das provas, as quais, segundo a PF, comprovam a sua participação nos atos de corrupção que estão sendo investigados.

A operação retroagiu a 2009. Cerca de 80% das ações aconteceram quando ele estava no cargo. Entre os nomes que já teriam sido citados, estão os de três ex-secretários de Estado e dois ex-governadores. Para obter o acordo de delação, somente se Nappi conseguir convencer os investigadores de que as suas denúncias têm consistência.

EX PREFEITO DE ITUPORANGA É PIVÔ DO ESQUEMA

A Polícia Federal (PF) informou nesta segunda-feira (17) que o inquérito da Operação Alcatraz teve prazo de conclusão prorrogado. Na sexta-feira (14), a 1º Vara Federal concedeu mais 15 dias de investigação, a pedido da PF, após parecer favorável do Ministério Público Federal (MPF).

A operação prendeu onze pessoas em 30 de maio, entre empresários e agentes públicos. Eles são investigados por suspeita de envolvimento em esquema de fraude em licitações e contratos. A PF estima danos aos cofres públicos de quase R$ 30 milhões. A Receita Federal calcula mais de R$ 100 milhões de prejuízos em sonegação de impostos.

As prisões ocorreram na Grande Florianópolis, uma em Ituporanga, no Vale do Itajaí, e uma em Vinhedo (SP). Até 4 de junho, quatro pessoas haviam sido liberadas. A reportagem tentou atualizar a situação nesta segunda com a PF e o Departamento de Admistração Prisional (Deap), sem sucesso.

Operação Alcatraz em SC: documentos revelam que delator era sócio de agência de publicidade.  — Foto: Reprodução/NSC TVOperação Alcatraz em SC: documentos revelam que delator era sócio de agência de publicidade.  — Foto: Reprodução/NSC TV

Operação Alcatraz em SC: documentos revelam que delator era sócio de agência de publicidade. — Foto: Reprodução/NSC TV

A investigação começou quando o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificou grandes diferenças entre a receita bruta e a movimentação financeira da MABB, empresa de atividade publicitária.

Comentários