“É gente como você que mata os doentes”

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

O desabafo emocionado de uma profissional de saúde mexeu com a rotina de uma cidade catarinense que vive o pico de casos de coronavírus. Após um ano trabalhando na linha de frente da pandemia, sem poder ver a mãe e com um primo entubado na UTI, a auxiliar de enfermagem Ceonara Balen, de 46 anos, chorou e perdeu o controle ao encontrar saindo do mercado uma paciente confirmada com Covid-19. Ela havia acabado de sair do posto de saúde.

O relato da profissional circulou em toda a cidade de Pinhalzinho, no Oeste de Santa Catarina, que tem no momento mais de 200 casos ativos de coronavírus e tem registrado picos de novas contaminações diárias. Chorando, a auxiliar de enfermagem conta a decepção ao ver pessoas furando o isolamento e espalhando o coronavírus na cidade durante o momento mais duro da pandemia em Santa Catarina. O caso ocorreu no último sábado (27).

Comentários