- A informação que gera opinião!

CATEGORIA: Saúde

Gestor público taioense terá que se empenhar bem mais para garantir a liberação de outros R$ 6 milhões necessários à construção do anexo do Hospital e Maternidade Dona Lisette e cumprir promessa de instalação de uma UTI no quinto andar do futuro bloco.
Para vergonha da sua gestão, Horst Alexandre Purnhagen (MDB) mantém o fracasso que vem do mandato anterior. O político ainda não conseguiu concluir uma simples ponte estaiada bem no coração da cidade. E o pior: um aditivo, recém-assinado, fez o custo do serviço aumentar R$ 470 mil.
Membros das câmaras legislativas dos 28 municípios da região estão no ‘cabresto’ dos gestores públicos?
Políticos do executivo e legislativo de Pouso Redondo (SC) devem pensar que moram em outro planeta de uma galáxia distante.
Segundo dados apresentados pelo governador aos parlamentares, 95% das emendas para a saúde do ano de 2021 já foram pagas.
Governo faz pouco caso, prefeito fracassa e UTI de R$ 1,4 milhão é fechada 4 meses após teatro político de inauguração.
Pela primeira vez na história, em meio à atual ‘pandemia’, especialistas, autoridades de saúde e políticos parecem agir em conluio para ignorar a poderosa proteção inata que ajudou a trazer a humanidade viva até o século 21. Afinal, por que eles escondem a existência da imunidade natural? A Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (DIVE/SC), por exemplo, foge das perguntas do portal Alto Vale Agora sobre o assunto. Mesmo que as autoridades corram do tema, nossa equipe revelará o mistério por trás dessa trama. Leia e confira!
Desastrada (ou proposital?), uma Nota Técnica Conjunta do governo catarinense provocou confusão ao citar, no contexto da pandemia de coronavírus, lei estadual que diz que unidades de ensino devem comunicar Conselho Tutelar se caderneta de vacinação não for apresentada até 30 dias após ato da matrícula. O fato gerou ansiedade em muitos pais de alunos. Enquanto é travada uma verdadeira guerra para inocular menores de idade, taxa de sobrevivência de crianças de 5 a 11 anos é de 99,997%. Ou seja, o risco de morte nessa faixa etária é praticamente ZERO, tranquilizam médicos José Augusto Nasser e Roberto Zeballos. A decisão de aplicar as doses nos filhos deve ser dos pais, lembrando que a própria Pfizer diz que ainda não conhece todos os possíveis efeitos adversos a longo prazo, também não se responsabiliza por eventuais danos à saúde e não dá garantia do seu produto.
A audiência pública foi solicitada pela Fecam.
A diretoria do Consórcio Intermunicipal Caminhos dos Cânions foi notificada, na última segunda, 13.