- A informação que gera opinião!

Chefe de facção criminosa é condenado a mais de 38 anos de prisão

O criminoso foi condenado por homicídio e tentativa de homicídio triplamente qualificados, por integrar organização crimino e por corrupção de menores.

Por Redação

16 de agosto de 2021

às 11:20

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 A atuação conjunta da 8ª Promotoria de Justiça da Comarca de Palhoça e do Grupo de Atuação Especial do Tribunal do Júri do Ministério Público (GEJURI) obteve a condenação de um dos chefes de uma facção responsável por autorizar as mortes executadas pela organização criminosa. 

 Gleiton Fernandes foi condenado pelos crimes de homicídio e de tentativa de homicídio triplamente qualificados, corrupção de menores e organização criminosa em sessão do Tribunal do Júri da Comarca de Palhoça que ocorreu nesta quinta-feira (12/08). 

 Conforme a denúncia do Ministério Público, o furto de um botijão de gás e de um tablet foi a motivação para o crime. A facção temia que, com o acionamento da polícia em decorrência do furto, as atividades ilícitas nos Bairros Brejarú e Frei Damião fossem prejudicadas. Assim, Gleiton ordenou a captura e morte dos homens. 

 Na madrugada de 6 de março de 2019, um homem foi rendido por uma pessoa não identificada e por um adolescente. O homem foi levado até um local onde a outra vítima estava rendida por um grupo de pessoas, sob o comando de Gleiton. O réu havia recebido a informação de que as duas vítimas teriam furtado uma casa na comunidade.

 No local, Gleiton Fernandes liderou o “tribunal do crime”, passando a interrogar os homens. Outros indivíduos ainda não identificados também estavam presentes. 

 Após questioná-los sobre o furto, Gleiton ordenou a morte das vítimas. 

 Os dois homens foram espancados pelo grupo com o uso de pedaços de madeira. Um deles não resistiu às agressões e faleceu no local. Já o outro conseguiu buscar socorro e sobreviveu.  ´

 A Promotora de Justiça Bartira Soldera Dias ressalta que o crime teve motivo torpe, em razão da suspeita que o réu tinha sobre as vítimas serem os responsáveis pelos furtos, o que poderia atrapalhar os crimes da facção por provocar ações da polícia. 

 Bartira também explica que o MPSC entendeu que os crimes foram cometidos com outras duas qualificadoras: emprego de meio cruel e de forma a impossibilitar a defesa da vítima. 

 A Promotora de Justiça Bartira Soldera Dias atuou perante ao Tribunal do Júri com a colaboração dos Promotores Luiz Fernando Pacheco e Marcio Zattar Cota, integrantes do GEJURI. 

 O GEJURI é formado por Promotores de Justiça especializados no Tribunal do Júri, designados pelo Procurador-Geral de Justiça, que podem ter a colaboração requerida pelo Promotor de Justiça titular. O grupo atua em casos de gravidade, complexidade, prioridade institucional e grau de segurança aos membros da Instituição. 

 Outros dois homens que eram réus na ação foram absolvidos pela ausência de provas suficientes, conforme requerido pelo MPSC. 

 O Conselho de Sentença considerou Gleiton Fernandes culpado de todos os crimes pelos quais foi denunciado pelo Ministério Público e o réu deverá cumprir a pena de 38 anos e 13 dias de reclusão por homicídio e tentativa de homicídio. Ambos os crimes foram triplamente qualificados por motivo torpe, uso de meio cruel e por impossibilitar a defesa da vítima. Ele teve a pena aumentada pelo crime de organização criminosa. Além de ser condenado também por corrupção de menores. 

 O réu estava preso preventivamente e não poderá responder em liberdade. A decisão é passível de recurso. 

 Fonte: MPSC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

“Há fundadas razões para que tenha ocorrido direcionamento no procedimento licitatório”, “superfaturamento” e custos quase triplicados em contrato de R$ 1,36 milhão, alerta representação encaminhada por Eder Ceola.
Foi julgada inconstitucional lei complementar de município do sul do Estado.
O julgamento iniciou às 8h30min de quarta-feira (15/9) e encerrou às 2h45min desta quinta-feira (16).