- A informação que gera opinião!

Operação da PF mira fraudes no auxílio emergencial em Santa Catarina

A PF mira em organizações criminosas que atuam em fraudes massivas contra o auxílio emergencial.

Por Redação

22 de julho de 2021

às 18:06

Compartilhe

 A operação Animus Fraudandi, da Polícia Federal, cumpriu na manhã desta quinta-feira (22) quatro mandados de busca e apreensão nas cidades de Balneário Camboriú, Blumenau e Ituporanga. Os alvos são suspeitos de integrarem um esquema nacional de fraude ao auxílio emergencial. Ao todo, 29 mandados de busca e quatro mandados de sequestro de bens foram expedidos para os estados da Bahia, Ceará, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Santa Catarina.

 A PF mira em organizações criminosas que atuam em fraudes massivas contra o auxílio emergencial. O nome da operação, em latim, significa “intenção de fraudar”.

Por enquanto, ainda não foram divulgados detalhes sobre a maneira como agiram os suspeitos e quanto pode ter sido desviado pelo grupo. A coluna apurou que os quatro endereços visitados pelos policiais nesta manhã em SC são residenciais.

 Os relatos de fraudes no auxílio emergencial ocorreram com frequência desde o ano passado, quando as parcelas começaram a ser pagas pelo governo federal. Até dados de famosos foram usados para obter o benefício irregularmente – na lista dos CPFs utilizados estão desde o empresário Luciano Hang, até o filho do apresentador do Jornal Nacional, William Bonner.

O governo divulgou ter conseguido reter mais de R$ 7 bilhões com o cancelamento de benefícios que foram identificados como fraudulentos ou indevidos, com auxílio da Controladoria Geral da União (CGU).

 Só a PF deflagrou 114 operações para combater as fraudes ao auxílio emergencial desde o ano passado. Mais de 50 pessoas foram presas.

 Imagem: ilustrativa

 Fonte: Redação

Últimas notícias

Os profissionais chegaram a ser aplaudidos durante a pandemia, mas agora são alvo de desprezo de políticos que, em falha grave, estão passando por cima de uma lei federal; e poderão ser responsabilizados por isso.
Ao acatar representação do vereador Eder Ceola, Ministério Público solicitou vasta lista de informações à secretária de Saúde, Rozi de Souza.
Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.