- A informação que gera opinião!

Vacina contra a gripe é liberada para toda a população acima de seis meses de idade

Com o fim da Campanha, a vacinação foi ampliada, até que os estoques de vacinas dos municípios sejam zerados.

Por Redação

12 de julho de 2021

às 12:20

Compartilhe

 Desde o último sábado, 10, pessoas que não fazem parte de nenhum grupo prioritário da Campanha de Vacinação contra a Gripe também poderão ser vacinadas contra a doença. Com o fim da Campanha, a vacinação foi ampliada para toda a população com mais de seis meses de idade, até que os estoques de vacinas dos municípios sejam zerados.

 A gerente da divisão de imunização da Dive, Arieli Schiessl Fialho, explica que, mesmo com a ampliação da vacinação para toda a população, as pessoas dos grupos prioritários, que são mais vulneráveis e podem desenvolver quadros graves e até morrer pelo vírus influenza, ainda podem procurar a vacina. “Como tivemos uma baixa procura este ano pelas doses da vacina contra a gripe, o Ministério da Saúde recomendou a liberação para toda a população. E é de extrema importância que as pessoas mais vulneráveis se imunizem”, ressaltou a gerente.

 Em Santa Catarina, apenas 47,8% do público-alvo da campanha foi vacinado até sexta-feira, 9, de acordo com dados publicados no Painel Influenza, do Ministério da Saúde. A meta era imunizar, ao menos, 90% da população prioritária que é de 2.757.175 milhões de pessoas.

 Vacina contra a gripe

 A vacina protege contra três subtipos do vírus: influenza A (H1N1); influenza A (H3N2) e influenza B e tem por objetivo reduzir os sintomas da doença, evitando assim a evolução para casos graves e possíveis óbitos. E, principalmente nesta época do ano, de temperaturas mais baixas e aumento das doenças respiratórias, a dose é de extrema importância.

 O diretor da Dive ressalta que é preciso respeitar o intervalo entre a aplicação da dose da vacina contra a gripe e a do coronavírus. “A recomendação é que a pessoa respeite um intervalo de, pelo menos, 14 dias entre a aplicação de uma vacina e outra”, conclui o diretor.

 Fonte: Secom/SC

Últimas notícias

Ao responsabilizar secretária Rozi Terezinha de Souza pela irregularidade envolvendo servidor que não bateu ponto no intervalo do almoço durante um ano, Eder Ceola foi enfático: “Ela tem que devolver esses R$ 7 mil [que o médico faturou a mais por mês] para o povo.” E acrescenta: “O que mais me deixa triste, é que dava pra tirar todas as filas da ressonância” com o dinheiro das horas extras pagas ao especialista de forma indevida.
Gestor público taioense terá que se empenhar bem mais para garantir a liberação de outros R$ 6 milhões necessários à construção do anexo do Hospital e Maternidade Dona Lisette e cumprir promessa de instalação de uma UTI no quinto andar do futuro bloco.
Para vergonha da sua gestão, Horst Alexandre Purnhagen (MDB) mantém o fracasso que vem do mandato anterior. O político ainda não conseguiu concluir uma simples ponte estaiada bem no coração da cidade. E o pior: um aditivo, recém-assinado, fez o custo do serviço aumentar R$ 470 mil.