- A informação que gera opinião!

Vice-prefeito da região vai faturar quase Meio Milhão no mandato enquanto outro tem até carro oficial à disposição

Pesando aos cofres públicos, os vice-prefeitos são alvo de polêmica sobre quanto ganham e qual sua serventia. No Vale Oeste, eles se defendem e garantem: “participam ativamente da administração”.

Por Redação

12 de agosto de 2021

às 09:14

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 O vice-prefeito Jian Paulo Cardoso (PSL), de Mirim Doce (SC), chama a atenção para si por conta de um privilégio sobre quatro rodas. Com salário de R$ 4.130,73 e nenhum outro cargo na administração, o político tem um veículo EcoSport – exclusivo – à sua disposição. Isso mesmo, um carro oficial para usar na hora que quiser, com tanque de combustível cheio bancado pela prefeitura e sem limite de quilometragem.

 A regalia é concedida justamente no município com a economia mais pobre da região do Vale Oeste, no Alto Vale do Itajaí, composta por outras cidades incluindo Salete, Rio do Campo, Pouso Redondo e Taió.

 Aliás, no dia em que foi fotografado por nossa reportagem, o crossover estava carente dos cuidados de uma boa lavação.

 Perto de Meio Milhão

 Outra constatação surpreendente surgiu enquanto a equipe do portal Alto Vale Agora buscava saber quais trabalhos os vice-prefeitos de municípios do Vale Oeste realizam em favor dos eleitores: as duas remunerações mensais mais altas pagas a vices na região.

 O segundo maior salário pertence ao vice-prefeito de Pouso Redondo, Rafael Neitzke Tambozi (PSL). Ele recebe mensalmente R$ 8.886,04. Durante os 48 meses de mandato, os ganhos somarão em torno de R$ 426 mil.

 Já o rendimento mais alto é pago ao vice de Taió. Émerson Grunfeldt (Republicanos) recebe todo mês R$ 9.495,06. O salário representa faturamento estimado de R$ 455 mil, ou seja, quase meio milhão de reais em quatro anos de mandato.

 Salários entre R$ 4 mil e R$ 9 mil no Vale Oeste

 Abaixo, listamos o valor da remuneração – aprovado pelas Câmaras de Vereadores – e o que faz cada vice-prefeito nos municípios do Vale Oeste. As informações são de responsabilidade das assessorias dos políticos.

 Mirim Doce: O vice-prefeito Jian Paulo Cardoso (PSL) recebe mensalmente R$ 4.130,73, não possui nenhum outro cargo na administração, mesmo assim tem à sua disposição uma EcoSport.

 Salete: José Tadeu Tenfen (PL) recebe mensalmente R$ 5.032,62, não possui carro oficial e, segundo a assessoria de imprensa, participa ativamente da administração.

 Rio do Campo: Acácio Cesar Mees (PSDB) recebe mensalmente R$ 6.885,73, não possui carro oficial à disposição e, segundo a assessoria, está diariamente na prefeitura participando ativamente da administração.

 Pouso Redondo: Rafael Neitzke Tambozi (PSL) recebe mensalmente R$ 8.886,04, não possui carro oficial e responde pela Secretaria de Administração e Fazenda sem receber nenhum acréscimo pela função extra. De acordo com a assessoria, participa ativamente da administração.

 Taió: Émerson Grunfeldt (Republicanos) recebe mensalmente R$ 9.495,06. Segundo a assessoria, ele não possui carro oficial. Utiliza automóvel particular para viagens e reuniões no exercício da função de vice-prefeito e está diariamente na prefeitura, atendendo e participando das decisões, inclusive, quando o prefeito se encontra ausente, mesmo não estando afastado ou de licença.

 Valem quanto custam?

 A escolha de um canditado a vice-prefeito depende, sobretudo, da capacidade dele de “puxar” votos para o titular. Uma vez eleitos, muitos vices desempenham apenas o papel de mera “figura decorativa”, apesar de receberem salário pago pelo povo. Porém, depois do companheiro de chapa, eles são a pessoa mais próxima do poder. 

 Oficialmente, as atribuições de um vice-prefeito não são muitas. A principal função é justamente ser o substituto imediato do titular do cargo. Em caso de renúncia, morte, cassação ou impeachment do titular é o vice quem herda o cargo. Ele também pode assumir o posto quando o titular se ausenta.

 Muitos vices desempenham funções relevantes na administração. Ainda assim, não é raro ouvir: “vice só presta pra buscar o ordenado no fim do mês.” Sinal de que o eleitor tem suas reservas em relação ao ocupante desse cargo.

 “Bom pra vice; mas pra prefeito não serve!”

 Quem respira os bastidores da política já está acostumado com a expressão “fulano é um bom vice” ou, então, “eu votaria no beltrano pra vice, mas não voto nele pra prefeito”.

 Afinal, como pode uma mesma pessoa ter condições de ser vice e não ter capacidade de ser prefeito? Deixando de lado o fato que muitas vezes até partidos adversários se coligam para unir forças e vencer o pleito, a afirmação não parece sugerir uma incompetência velada? Em raciocínio inverso, se um político não tem a mínima condição de exercer a função de prefeito teria para ser vice?

 Logicamente, nem todos os vices são bons vices e nem todos os vices são maus vices. Há exceções e estamos cheios destes bons exemplos também na região do Alto Vale do Itajaí.

 Um bom vice pode colaborar e muito na gestão pública somando forças com o titular, assumindo responsabilidades e dialogando com a sociedade. Inclusive, ele pode assumir alguma secretaria do governo.

 A gente quer saber!

 Qual a avaliação que você faz do vice-prefeito de sua cidade? Deixe seu comentário. Participe!

 Fonte: Da Redação

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Por que o prefeito Horst Alexandre Purnhagen (MDB) decidiu pagar R$ 216 mil mais caro? O que levanta outro questionamento: por que gestor não agiu para economizar? Empresa contratada deverá fazer serviço de geoprocessamento para elaboração de novo mapa territorial do município.
Uma das principais rodovias de Santa Catarina coleciona ‘panelas e crateras’. Precariedade desafia motoristas que escapam até pelo acostamento, detona veículos e coloca vidas em risco. Mas não parece envergonhar autoridades coniventes com o descaso.
“Há fundadas razões para que tenha ocorrido direcionamento no procedimento licitatório”, “superfaturamento” e custos quase triplicados em contrato de R$ 1,36 milhão, alerta representação encaminhada por Eder Ceola.