- A informação que gera opinião!

Acordo em processos e garante liberação de cerca de R$ 600 mil aos cofres do Estado

O acordo foi realizado pela Procuradoria-Geral do Estado (PGE/SC).

Por Redação

29 de julho de 2021

às 13:40

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 Um acordo realizado pela Procuradoria-Geral do Estado (PGE/SC) para acelerar o recebimento de valores decorrentes de multa aplicada a entidade sindical resultou na entrada imediata de cerca de R$ 600 mil nos cofres públicos catarinenses. A conciliação envolve três processos movidos pelo Estado de Santa Catarina e foi homologada pela Justiça catarinense na última segunda-feira, 26. O entendimento entre as partes garantiu ainda a suspensão de um leilão de imóvel e autorizou o parcelamento de uma dívida de quase R$ 2 milhões.

 O processo teve início na década de 90, quando a instituição foi condenada ao pagamento de multa ao Governo do Estado. Após a não quitação da dívida, a Procuradoria atuou para reaver os valores devidos. Em uma das etapas da ação, a Justiça determinou o leilão da sede da organização como forma de liquidação do débito.

 O acordo homologado nesta semana fora firmado após conversas entre a PGE/SC e a direção da entidade sindical. A intenção era acelerar o recebimento dos valores pelo erário e evitar que o imóvel fosse vendido, de modo a não inviabilizar a sua atuação.

 O procurador-geral do Estado, Alisson de Bom de Souza, comemorou o resultado. Segundo ele, isso demonstra a importância do caráter conciliador da PGE/SC, fundamental para garantir recursos que serão convertidos em ações relevantes para os catarinenses.

 – Incentivar a desjudicialização e o êxito processual é uma diretriz basilar na atuação da Procuradoria, cada vez mais preocupada em exercer a advocacia pública do século XXI. Essa visão nos permitiu disponibilizar ao Poder Executivo uma importância cuja busca apenas nos tribunais poderia trazer resultados em um prazo muito longo – finaliza o chefe da Procuradoria.

 Fonte: Secom/SC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

“Há fundadas razões para que tenha ocorrido direcionamento no procedimento licitatório”, “superfaturamento” e custos quase triplicados em contrato de R$ 1,36 milhão, alerta representação encaminhada por Eder Ceola.
Foi julgada inconstitucional lei complementar de município do sul do Estado.
O julgamento iniciou às 8h30min de quarta-feira (15/9) e encerrou às 2h45min desta quinta-feira (16).