- A informação que gera opinião!

CATEGORIA: Transparência

Críticos consideram mecanismo autoritário, atentado à vacinação não obrigatória e risco à disseminação do vírus, além de criar ‘cidadãos de segunda classe’. No entanto, maioria dos prefeitos ouvidos na região defende ideia, apesar de ainda não haver planos para decretar medida. Outra parte dos gestores alerta que ação fere direitos, além de ameaçar liberdades. E, ao passaporte sanitário, eles dizem: “não”.
Cesar Panini recusou assoprar o bafômetro e teve CNH retida pela PM. Eleitos para fiscalizar o executivo, Adriano Sehnem e Alcione Luchtenberg aceitaram carona fora da lei. Os três foram com veículo da prefeitura – uma ‘nave’ de luxo de quase R$ 100 mil - à reunião de pré-candidato a deputado estadual pelo PSD. Conduta configura ato ilegal.
Reportamos uma anomalia em dados de um parecer jurídico publicado no Portal da Transparência. O documento avalizou contratação de serviços de geoprocessamento por quase R$ 1,6 milhão. Executivo não gostou, tentou explicar em nota oficial e acabou agravando sua situação.
Fora da lei, caminhoneiros estão fazendo a ‘festa’ diante da cara da polícia, denunciam motoristas. Já gambiarra de obrinha vexatória – após longo período de abandono da rodovia – é verdadeiro deboche aos honestos pagadores de impostos.
Advogado consta no Portal da Transparência como se ainda fosse procurador municipal. Parecer dele dá sinal verde em processo que culminou na contratação de serviços de geoprocessamento por quase R$ 1,6 milhão.
Contribuintes são esfolados com cobrança de impostos para manter a máquina pública enquanto verdadeiras quadrilhas aplicam diversos tipos de golpes para saquear prefeituras. Conheça as 7 fraudes mais praticadas, como detectá-las e como ajudar a combatê-las.
Por que gasto atual com geoprocessamento aumentou em 80 vezes, de R$ 20 mil para quase R$ 1,6 milhão? Por que fiscais não agiram para evitar dinheiro público possivelmente jogado no ralo? Povo pagará custo milionário para repetir atualização de mapa digital a cada poucos anos?
Por que o prefeito Horst Alexandre Purnhagen (MDB) decidiu pagar R$ 216 mil mais caro? O que levanta outro questionamento: por que gestor não agiu para economizar? Empresa contratada deverá fazer serviço de geoprocessamento para elaboração de novo mapa territorial do município.
Uma das principais rodovias de Santa Catarina coleciona ‘panelas e crateras’. Precariedade desafia motoristas que escapam até pelo acostamento, detona veículos e coloca vidas em risco. Mas não parece envergonhar autoridades coniventes com o descaso.
“Há fundadas razões para que tenha ocorrido direcionamento no procedimento licitatório”, “superfaturamento” e custos quase triplicados em contrato de R$ 1,36 milhão, alerta representação encaminhada por Eder Ceola.