- A informação que gera opinião!

Acusado de chacina em creche de Saudades será ouvido presencialmente

O acusado será o último a ser ouvido, após oitiva de 14 testemunhas do crime.

Por Redação

20 de agosto de 2021

às 12:40

Compartilhe

 Uma determinação do juiz Caio Taborda, da Vara Única da comarca de Pinhalzinho, altera o modo da audiência de instrução e julgamento que acontecerá na próxima terça-feira (24/8). O acusado, que até então seria ouvido do presídio de Chapecó por via online, deverá comparecer presencialmente no fórum. Será a segunda série de oitivas sobre a morte de cinco pessoas em uma creche de Saudades, no Oeste, em maio.

 “Dessa forma fica facilitado o contato do advogado de defesa com o acusado. Assim também poderemos observar o réu a fim de analisar o novo pedido de incidente de insanidade mental, requerido pela defesa”, explica o magistrado. A decisão sobre o exame será proferida após a realização da audiência.

 O acusado será o último a ser ouvido, após oitiva de 14 testemunhas do crime, todas arroladas pelo Ministério Público. O início da audiência está previsto para 13h30. Na primeira ocasião, no último dia 5, foram ouvidas seis vítimas e sete testemunhas, também de acusação.

 O agressor foi denunciado por 19 crimes de homicídio entre consumados e tentados. Na manhã do dia 4 de maio deste ano, ele entrou em uma creche no município de Saudades e com uma adaga – espécie de espada – golpeou fatalmente duas professoras e três bebês. Outra criança, também com menos de dois anos, foi socorrida e se recupera em casa. O processo tramita em segredo de justiça.​

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Os profissionais chegaram a ser aplaudidos durante a pandemia, mas agora são alvo de desprezo de políticos que, em falha grave, estão passando por cima de uma lei federal; e poderão ser responsabilizados por isso.
Ao acatar representação do vereador Eder Ceola, Ministério Público solicitou vasta lista de informações à secretária de Saúde, Rozi de Souza.
Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.