- A informação que gera opinião!

Acusado de homicídio em agroindústria é condenado

O acusado foi condenado a 12 anos de prisão, em regime fechado.

Por Redação

17 de agosto de 2021

às 13:20

Compartilhe

 O júri da última sexta-feira (13/8) na comarca de Chapecó teve como réu um imigrante do Haiti que desferiu cinco golpes de faca em colega de trabalho, de nacionalidade venezuelana. O crime ocorreu durante expediente dos dois em uma agroindústria de Chapecó.

 Foram quase 13 horas de debates. Um intérprete do idioma francês atuou durante o interrogatório do réu para garantir a compreensão do relato. Houve réplica do representante do Ministério Público, Alessandro Argenta, e tréplica do advogado Alcides Heerdt. O Conselho de Sentença foi formado por três mulheres e quatro homens, todos escolhidos por sorteio. Os jurados reconheceram a qualificadora de uso de recurso que dificultou a defesa da vítima.

 Também trabalhou na assistência da acusação o advogado Dalmo Gerson Muniz Junior. A defesa foi feita ainda pela advogada Natália Raznievski Monteiro. A sentença foi lida pela juíza substituta Adriana Inácio Mesquita de Azevedo Hartz Restum, que presidiu a sessão.

 O crime

 De acordo com a denúncia, por volta de 4h30 do dia 27 de março de 2020, o acusado desferiu cinco golpes de faca na vítima, que veio a óbito no local. Eles estavam trabalhando em uma agroindústria de Chapecó quando houve o desentendimento. De acordo com a denúncia, a vítima atingiu o réu com um soco no rosto. Os dois foram encaminhados para a sala do supervisor. No retorno ao trabalho, ocorreu o crime

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.