- A informação que gera opinião!

Atual política de combate às drogas é ineficaz e incita violência

A desa. Salete Sommariva debaterá o assunto na quarta-feira (6/10).

Por Redação

4 de outubro de 2021

às 12:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 A atual política de combate às drogas não é eficaz, estimula a violência e deixa a população vulnerável. Esta é a posição da desembargadora Salete Sommariva, integrante da 2ª Câmara Criminal do TJSC e responsável pela Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica (Cevid). A magistrada debaterá o assunto na quarta-feira (6/10), às 20h30, durante a 2ª Jornada Jurídica de Direito Penal e Processo Penal – promovida pelo curso de Direito da Faculdade Anhanguera, de Jaraguá do Sul.

 De acordo com Sommariva, muitos países do mundo têm enfrentado o problema sob uma nova ótica, e o Brasil não pode ficar fora desse debate. “Tratar o usuário como um criminoso não auxilia o Judiciário, nem os órgãos de segurança, nem os governos, tampouco a população”, pontua.

 O usuário de drogas, segundo Sommariva, deve receber tratamento – porque é uma questão de saúde pública – e não ser punido. “A descriminalização, entre outras coisas, reduz o encarceramento, normalmente de pessoas pobres, que chegam ao presídio como pequenos usuários/traficantes e saem de lá como integrantes de facções criminosas”. Ela cita o exemplo de Portugal, que deu uma guinada em suas políticas repressivas e tornou-se uma referência mundial no enfrentamento às drogas.

 O tema da palestra é “A criminalização do uso de drogas e seus reflexos no encarceramento e na ordem social”. Virtual, o evento será transmitido ao vivo pelo canal da faculdade no YouTube.

 Fonte: TJSC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Críticos consideram mecanismo autoritário, atentado à vacinação não obrigatória e risco à disseminação do vírus, além de criar ‘cidadãos de segunda classe’. No entanto, maioria dos prefeitos ouvidos na região defende ideia, apesar de ainda não haver planos para decretar medida. Outra parte dos gestores alerta que ação fere direitos, além de ameaçar liberdades. E, ao passaporte sanitário, eles dizem: “não”.
Liminar em ação ajuizada pelo MPSC por suposta fraude em concurso público proibia novos contratos.
Deputados parabenizaram e pediram valorização dos professores durante a sessão plenária.