- A informação que gera opinião!

‘Checão’: Quando vereadores acham que lacram, mas apenas conseguem ‘queimar o filme’

Com cheques gigantes para representar devolução de dinheiro às prefeituras, parlamentares tentam marcar pontos. Mas não se tocam que esse teatro não convence mais o eleitor e é um tiro no próprio pé.

Por Redação

23 de agosto de 2021

às 11:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 A falta de autopercepção, a ausência de autocrítica e a sobra de histrionismo transformam, não raras vezes, as nossas Câmaras de Vereadores em casas de um teatro circense patético. Encenações ‘consagradas’ dessa hipócrita arte política usada para manipular a opinião pública abundam nos legislativos municipais país afora. É o caso do tradicional espetáculo deprimente e apresentado com roteiro de uma cerimônia ridícula que, popularmente, mereceu até o apelido irônico de ‘checão’. Enfadonho, o enredo dessa peça teatral vergonhosa formaliza a pretensa ‘devolução’ de dinheiro economizado pelos vereadores às prefeituras.

 E é sempre igual. Agrupados, disputando espaço para ver quem aparece melhor ao segurar o tal checão, eles fazem poses com caras e bocas e forçam sorrisos na tentativa de externar empatia ao eleitor, uma vã investida que não lhes poupa da figuração cambalacheira diante de microfones e câmeras. Ainda assim, ganham cliques e entrevistas, afinal, os holofotes, em geral, são de uma mídia comprada e, por isso, acrítica e servil.

 Delirantes, na maior cara de pau, muitos desses vereadores exibem o seu objeto cênico, o tal checão, como se fosse um troféu a ser levantado diante do público para simbolizar uma espécie de jura da sua imaginada pureza política.

 Sem noção, acham que lacram. Mal sabem esses vereadores que, na verdade, queimam, ou melhor, torram seu próprio filme. Pois, enquanto muitos deles simulam fingimento ou amnésia sobre a real origem desse dinheiro, o povo sabe muito bem que a grana – sobre a qual nadam – sai é do bolso do suado trabalhador na forma da cobrança de impostos.

 Excelências! Um aviso para quem ainda não se tocou: além de não convencer, o teatro do checão apenas consegue expor hipocrisia. Aos nossos olhos, saibam, essa cena é entendida como uma espécie de ritual de purificação do pecado da vossa gastança, teatro inútil, claro; e que jamais vai lhes premiar com uma auréola de santo resplendor.

 Acordem! Sabem o que esse cheque gigantesco entrega de verdade? Os repasses exagerados de dinheiro às Câmaras de Vereadores!

 A propósito, em vez de criar tantos projetos vaidosos e que não servem para nada, que tal estabelecer um orçamento realista para o legislativo por meio da redução voluntária do índice de repasse do duodécimo que vem das prefeituras?

 Sigam o exemplo do pai de família que economiza na luz para cobrir a conta de água, que se vê obrigado a abrir mão até do que não é supérfluo para conseguir colocar comida na mesa dos filhos.

 Vereadores, cortem na carne! Opções de economia não lhes faltará: salários irreais, valor indecente de diárias, gastos insanos de gabinete, comissionados apadrinhados em cabides de emprego… 

   E, por favor, usem dois neurônios ao menos para parar de passar vergonha! Não posem nunca mais para a infame foto do checão. De tão vexatório, isso tira até a chance de futuros votos.

 Enquanto os senhores decidirem não trabalhar com um orçamento equilibrado e respeitoso ao eleitor, devolvam as sobras de dinheiro com transparência, mas sem alarde, esnobismo ou culto ao próprio ego.

 E antes de empunhar o próximo checão, lembrem-se: os senhores, quando devolvem parte da verba, não fazem mais que a vossa obrigação.

E, sim, podem devolver bem mais.

 Fique ligado

 No próximo ‘episódio do checão’, vamos trazer números para revelar quanto custa a estrutura de uma Câmara de Vereadores bancada com o dinheiro do povo.

 Você vai se surpreender!

 Fonte: Da Redação

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Uma das principais rodovias de Santa Catarina coleciona ‘panelas e crateras’. Precariedade desafia motoristas que escapam até pelo acostamento, detona veículos e coloca vidas em risco. Mas não parece envergonhar autoridades coniventes com o descaso.
“Há fundadas razões para que tenha ocorrido direcionamento no procedimento licitatório”, “superfaturamento” e custos quase triplicados em contrato de R$ 1,36 milhão, alerta representação encaminhada por Eder Ceola.
Dirigindo no conforto da ‘nave’ paga pelo povo, agora, Cesar Panini, talvez, poderá enxergar melhor – através dos grandes vidros do luxuoso SUV zero km - que a crise enfrentada pelos trabalhadores só cresce na pandemia.