- A informação que gera opinião!

Cinismo: Em foto, políticos ostentam festança com churrascada regada a bebidas e revoltam povo que sofre com crise e pandemia

Imagem que viraliza na internet mostra prefeito e seis vereadores em banquetaço - aglomerados, sem máscara, sorridentes e com suas barrigas salientes. Grupo custa mais de R$ 2,5 milhões aos cofres públicos durante mandato.

Por Redação

13 de setembro de 2021

às 09:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 Uma foto que circula desde o final de semana nas redes sociais repercute como um deboche e provoca indignação em eleitores do município de Taió, no Alto Vale do Itajaí (SC). Na imagem, políticos ostentam para a câmera a fartura de uma festança regada a bebidas variadas e com direito a muitos nacos de carne nos espetos, sem qualquer preocupação com aglomero ou falta de máscara em plena pandemia do novo coronavírus e sem nenhum peso de consciência por conta da atual crise econômica que já reduziu a quantidade e a qualidade dos alimentos na mesa da população.

 O grupo reuniu o prefeito da cidade e seis vereadores taioenses. Na fotografia, da esquerda para a direita, aparecem: vereador Aroldo Peicher Junior – “Peixinho” (MDB), vereador Flavio Molinari (MDB), vereadora Clarice Fonseca Longen (MDB), vereador Ricardo Oenning – “Kakai” (PSD), vereador Edésio Fillagranna (PSDB) e também o prefeito Horst Alexandre Purnhagen (MDB) e o presidente da Câmara de Vereadores William Henrique Noriller (PSD).

 A data exata do evento, o local escolhido e a quantidade de pessoas reunidas na festa são desconhecidos.

 Também não se sabe ainda se a aglomeração descarada e desmascarada provocou a disseminação de novos casos de Covid-19 no município.

 Entretanto, ficou claro que políticos que foram adversários na última campanha eleitoral e que, hoje, em tese, deveriam ser de oposição, refestelaram-se diante da mesma churrasqueira.

 Apenas três dos nove vereadores do legislativo municipal não teriam participado.

 Crise, a palavra que não existe no dicionário dos políticos

 E meio à crise sem precedentes, o povo trabalhador está impactado pelo drama de uma pandemia com quase 600 mil mortos pela Covid-19 no Brasil. Além disso, sofre com a alta de preços de alimentos e combustíveis obrigando-se a cortar gastos em tudo para o dinheiro alcançar as contas.

 No entanto, para o prefeito de Taió, Horst Alexandre Purnhagen, para o presidente da Câmara de Vereadores, Willian Henrique Noriller e para os outros cinco vereadores – Peixinho, Molinari, Clarice, Kakai e Fillagranna – é tempo de vacas gordas. Afinal, o que acaba custeando as extravagâncias é o dinheiro que sai dos impostos cobrados do povo.

 E a fartura vai além das imagens da festa regada a bebidas e muita carne na brasa.

 Nos salários, a abundância também aparece. Por falar nisso, os custos aos cofres públicos, apenas com os vencimentos do prefeito e dos seis vereadores que se exibem na foto, ultrapassarão os R$ 2,5 milhões neste mandato.

 Barriga saliente e gordura acumulada também no bolso

 Abaixo, veja quanto cada um dos sete políticos da churrascada recebe mensalmente. Repare que parte deles acumula salários de dois cargos.

 Aliás, considerando a generosa silhueta corporal da maioria, dinheiro para sustentar banquetes, pelo visto, não tem faltado.

 • Horst Alexandre Purnhagen (MDB): R$ 18.990,13.

 • William Henrique Noriller (PSD): R$ 8.040,76.

 • Aroldo Peicher Junior – “Peixinho” (MDB). Salário de Vereador:  R$ 5.360,50 + salário de Fiscal de Tributos: R$ 6.191,42, totalizando mensalmente vencimentos de R$ 11.551,92.

 • Edésio Fillagranna (PSDB). Salário de Vereador: R$ 5.360,50 + salário de Operador de Equipamentos: R$ 2.426,85, totalizando mensalmente vencimentos de R$ 7,787,35.

 • Flavio Molinari (MDB). Salário de Vereador: R$ 5.360,50 + salário de Agente Técnico: R$ 2.993,61, totalizando mensalmente vencimentos de R$ 8.354,11

 • Ricardo Oeninng – “Kakai” (PSD): R$ 5.360,50

 • Clarice Fonseca Longen (MDB): R$ 5.360,50

 Com a palavra, o povo…

 O que você achou da festa ostentada pelos políticos de Taió em período de crise e pandemia?

 Deixe seu comentário!

 Fonte: Da Redação

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Por que o prefeito Horst Alexandre Purnhagen (MDB) decidiu pagar R$ 216 mil mais caro? O que levanta outro questionamento: por que gestor não agiu para economizar? Empresa contratada deverá fazer serviço de geoprocessamento para elaboração de novo mapa territorial do município.
Uma das principais rodovias de Santa Catarina coleciona ‘panelas e crateras’. Precariedade desafia motoristas que escapam até pelo acostamento, detona veículos e coloca vidas em risco. Mas não parece envergonhar autoridades coniventes com o descaso.
“Há fundadas razões para que tenha ocorrido direcionamento no procedimento licitatório”, “superfaturamento” e custos quase triplicados em contrato de R$ 1,36 milhão, alerta representação encaminhada por Eder Ceola.