- A informação que gera opinião!

Com adesão do PJSC, Campanha do Agasalho é prorrogada até o dia 15 de agosto

As doações podem ser feitas em caixas identificadas com a arte da campanha espalhadas pelas comarcas do Estado e no prédio do TJSC.

Por Redação

13 de julho de 2021

às 14:20

Compartilhe

 A 24ª edição da Campanha do Agasalho, organizada pela NDTV/Record TV e que teve adesão do Poder Judiciário de Santa Catarina (PJSC), foi prorrogada até o próximo dia 15 de agosto. As doações podem ser feitas em caixas identificadas com a arte da campanha espalhadas pelas comarcas do Estado e no prédio do TJSC.

 Podem ser doadas roupas novas e usadas, cobertores, luvas, toucas e acessórios em bom estado. Tudo que for arrecadado será entregue para instituições que farão o repasse a suas comunidades. Para manter os cuidados com todos os envolvidos, a campanha obedecerá às normas sanitárias contra a Covid-19 nos processos de separação e doação das peças.

 No ano passado, a campanha da NDTV arrecadou mais de 600 mil peças. De acordo com a organização, mais de 500 mil peças já foram arrecadadas no Estado. Apenas nos postos de coleta do Poder Judiciário catarinense, mais de mil peças foram doadas até o momento. Além do prédio-sede do Tribunal de Justiça, da UPC, do Fórum Desembargador Eduardo Luz, do Fórum Distrital do Continente e do Fórum Rid Silva na Capital, as comarcas de Palhoça, São José e Biguaçu também terão locais de coleta para as doações.

 A Campanha do Agasalho 2021, cujo tema este ano é “Cada roupa vale por um abraço”, conta com pontos de coleta em todas as regiões do Estado. Os interessados podem conferir os demais locais de coleta acessando este link: https://ndmais.com.br/campanhadoagasalho/.

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.