- A informação que gera opinião!

Combustíveis estão caros por serem atrelados ao preço do dólar

Para o senador Jean Paul Prates (PT-RN), a nossa economia está dolarizada pelo preço do combustível.

Por Redação

1 de outubro de 2021

às 14:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 Em pronunciamento, nesta quinta-feira (30), o senador Jean Paul Prates (PT-RN) disse que é falsa a narrativa de que os governadores são responsáveis pela alta dos combustíveis por não abrirem mão de impostos estaduais. Ele esclareceu que a carga tributária sobre combustíveis é pesada em todos os países do mundo, por se tratar de uma fonte energética fóssil, por se tratar de recursos não renováveis, poluentes.

 — Na Europa, é comum encontrar tributações da ordem de 70% a 80% do preço final do combustível na bomba. Então, não há que se falar aqui, por exemplo, em os governadores abrirem mão do imposto. Pode-se até falar em como aplicá-lo ou em como ele possa variar menos, eventualmente com grandes picos de alta, como acontece agora, mas jamais esperar que um governador ou governadora de um estado abra mão do imposto, que é uma das principais fontes de receita livre que eles têm, até porque a alíquota está parada. Ninguém mexeu, não mexeram em alíquotas de imposto de combustível recentemente —esclareceu o senador.

 Segundo Jean Paul, a escalada dos preços dos combustíveis, inclusive do chamado GLP (Gás Liquefeito de Petróleo), que é o gás de cozinha, se deu a partir de 2017, quando o Brasil decidiu “atrelar” o preço interno ao preço internacional em tempo real e em dólar.

 — A nossa economia está dolarizada pelo preço do combustível. E esse preço está sendo mantido assim para proteger grupelhos. É o rabo abanando o cachorro – grupelhos de importadores de combustíveis e grupelhos de especuladores de ação estatal.

 Fonte: Agência Senado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Críticos consideram mecanismo autoritário, atentado à vacinação não obrigatória e risco à disseminação do vírus, além de criar ‘cidadãos de segunda classe’. No entanto, maioria dos prefeitos ouvidos na região defende ideia, apesar de ainda não haver planos para decretar medida. Outra parte dos gestores alerta que ação fere direitos, além de ameaçar liberdades. E, ao passaporte sanitário, eles dizem: “não”.
Deputados parabenizaram e pediram valorização dos professores durante a sessão plenária.
O senador Wellington Fagundes (PL-MT) homenageou todas as entidades que desenvolvem projetos solidários ou de grande relevância social.