- A informação que gera opinião!

Comissão discute possível vazamento de dados do INSS

Presidente do INSS vai falar aos deputados sobre possível vazamento de dados.

Por Redação

24 de junho de 2021

às 12:00

Compartilhe

 A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados promove, nesta quinta-feira (24), audiência pública para discutir o possível vazamento de informações do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

 O autor do requerimento, deputado Elias Vaz (PSB-GO), aponta a ausência de medidas de fiscalização, por parte do Banco Central do Brasil (Bacen), e indícios de irregularidades nos empréstimos consignados.

 Segundo ele, milhares de aposentados e de pensionistas estão recebendo depósitos sem nunca terem pedido o dinheiro e estão sendo descontados, enquanto o dinheiro não volta para o banco. Vaz cita bancos condenados pela Justiça a devolver em dobro o valor por empréstimo consignado não solicitado.

 “Existem casos de recém-aposentados, que ainda nem sabiam que o processo de aposentadoria já estava concluído, e receberam consignados em suas contas, sendo inclusive informados da sua aposentadoria pelo banco”, relata o deputado.

 “Esse tipo de informação, que deveria ser tratada como dados pessoais sigilosos, tem vazado para esses bancos, quando deviam estar protegidas no INSS, que não tem efetuado medidas eficazes para proteger o segurado”, aponta.

 Fonte: Agência Câmara de Notícias

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.