- A informação que gera opinião!

Condenado a 14 anos de reclusão homem que matou por dívida de drogas

O Conselho de Sentença considerou o réu culpado por homicídio duplamente qualificado - por motivo fútil e por impossibilitar a defesa da vítima.

Por Redação

2 de agosto de 2021

às 11:00

Compartilhe

 Um homem levado ao Tribunal do Júri da Comarca de Fraiburgo pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) foi condenado pelo crime de homicídio duplamente qualificado. Hamilton Lucas Gonçalves disparou diversas vezes contra a vítima. Seis tiros atingiram o homem na cabeça e no peito, provocando a morte dele.

 Conforme narra a denúncia da Promotoria de Justiça Comarca de Fraiburgo, a vítima saía de casa quando foi surpreendida por Hamilton, que atirou em sua direção. O crime ocorreu em 14 de junho de 2020 em Fraiburgo. 

 Segundo o Ministério Público, o crime foi motivado por desentendimentos entre a vítima e o réu por causa de dívidas de drogas. A vítima tinha dívidas com o grupo de que o réu fazia parte.

 A Promotoria de Justiça considerou que o réu foi motivado por razão fútil, decorrente do desentendimento com a vítima por uma dívida de drogas, e que também impossibilitou a defesa por tê-lo surpreendido na rua no momento do crime.

 O Tribunal do Júri condenou Hamilton à pena de 14 anos de reclusão, em regime inicial fechado, por homicídio duplamente qualificado, conforme sustentado pelo Ministério Público. 

 O réu já está em prisão preventiva e não poderá recorrer em liberdade. A decisão é passível de recurso. 

 Fonte: MPSC

Últimas notícias

Os profissionais chegaram a ser aplaudidos durante a pandemia, mas agora são alvo de desprezo de políticos que, em falha grave, estão passando por cima de uma lei federal; e poderão ser responsabilizados por isso.
Ao acatar representação do vereador Eder Ceola, Ministério Público solicitou vasta lista de informações à secretária de Saúde, Rozi de Souza.
Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.