- A informação que gera opinião!

Detento que matou colega de cela é condenado a mais de 13 anos de prisão

Réu e vítima ocupavam cela isolada do Presídio de Blumenau por motivo de segurança. Crime ocorreu em março de 2020.

Por Redação

13 de outubro de 2021

às 12:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 Um detento que matou um colega de cela no Presídio de Blumenau foi condenado a 13 anos, sete meses e 10 dias de prisão, em regime inicial fechado. Conforme sustentou o Ministério Público de Santa Catarina, os jurados entenderam que o acusado cometeu homicídio qualificado (pelo uso de meio cruel).

 A sessão do Tribunal do Júri julgou Bruno Machado da Silva, denunciado pela 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Blumenau pela morte de Cleiton Leonardo Kintope, na sexta-feira (8/10). Os dois eram reclusos na Unidade Prisional de Blumenau em uma cela conhecida por “seguro”, isto é, um lugar destinado a presos que não podem ficar em cárceres normais, destinados a presos comuns. 

 O “seguro” é utilizado para presos que cometeram ou foram condenados por determinados crimes ou para ex-integrantes de facções criminosas, os chamados “decretados”. Também é indicado para reclusos que não conseguem, por variados motivos manter um comportamento adequado.   

 Na manhã do dia 12 de março de 2020, Bruno Machado da Silva golpeou a cabeça da vítima com socos e bateu por diversas vezes a cabeça dela contra a cama de concreto da cela e, após, utilizou uma toalha para tentar sufocar a vítima.

 O Conselho de Sentença considerou que foram os golpes na cabeça a causa da morte da vítima (meio cruel) e afastou a qualificadora da asfixia.

 Na Sessão de Julgamento, atuou a Promotora de Justiça Andrea Gevaerd. 

 A sentença é passível de recurso, mas o réu não preenche os requisitos legais para recorrer em liberdade.

 Fonte: MPSC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Liminar em ação ajuizada pelo MPSC por suposta fraude em concurso público proibia novos contratos.
A decisão é do 2º Juizado Especial Cível da comarca de Balneário Camboriú.
Ação da 1ª Promotoria de Justiça aponta suposta prática de homicídio triplamente qualificado: como feminicídio, pelo motivo torpe e por impossibilitar a defesa da vítima.