- A informação que gera opinião!

Detentos denunciados pelo MPSC por matar em presídio são condenados

Detentos que mataram homem dentro de presídio com faca artesanal foram condenados a penas que variam entre 25 e 30 anos de prisão.

Por Redação

23 de setembro de 2021

às 13:20

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 Três detentos denunciados pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) foram condenados por homicídio duplamente qualificado. O crime ocorreu durante o banho de sol no Presídio Regional de Joinville, na manhã de 28 de março de 2020. A sessão que sentenciou os homens aconteceu nesta terça-feira (21/9) e durou 6 horas.

 Cleverson Ricardo de Medeiros, Hércules Pereira Soares e Jonatan Otávio Costa surpreenderam Rafael Jonatham de Souza, atacando-o com uma faca artesanal. Os detentos golpearam a vítima diversas vezes.

 Os homens admitiram o crime para os agentes prisionais e as câmeras do presídio registraram o homicídio.

 O Promotor de Justiça Ricardo Paladino sustentou que os réus estavam em maior número e o ataque ocorreu de forma imprevisível, o que qualifica o crime como praticado com uso de recurso que dificultou a defesa da vítima. O Promotor também sustentou que o crime foi cometido com emprego de meio cruel, pela grande quantidade de golpes usados para provocar a morte.

 O Conselho de Sentença seguiu o entendimento do MPSC e condenou os réus com as qualificadoras apresentadas. Cleverson Ricardo de Medeiros terá que cumprir 30 anos de prisão, Hércules Pereira Soares vai cumprir 25 anos e 4 meses de prisão e Jonatan Otávio Costa cumprirá 30 anos de prisão.

 A defesa ainda pode recorrer da decisão, mas, como os réus já cumprem pena por outros crimes, não poderão fazê-lo em liberdade.

 Fonte: MPSC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Liminar em ação ajuizada pelo MPSC por suposta fraude em concurso público proibia novos contratos.
A decisão é do 2º Juizado Especial Cível da comarca de Balneário Camboriú.
Ação da 1ª Promotoria de Justiça aponta suposta prática de homicídio triplamente qualificado: como feminicídio, pelo motivo torpe e por impossibilitar a defesa da vítima.