- A informação que gera opinião!

Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais alerta para importância da testagem

É essencial que todo cidadão realize testes para a detecção das hepatites virais pelo menos uma vez na vida.

Por Redação

28 de julho de 2021

às 12:20

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 As hepatites B e C são as maiores causadoras de óbitos na população catarinense dentre as hepatites virais. No ano de 2020, foram registradas 56 mortes pela infecção, sendo 36 pela hepatite C e 20 pela hepatite B. No mesmo ano, também foram notificados 1.682 casos da infecção (hepatite B – 877/hepatite C – 805). No entanto, os tipos virais são evitáveis, podem ser tratados e, no caso, da hepatite C, o tratamento pode levar à cura.

 A gerente das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) Aids e Hepatites Virais da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE/SC), a médica infectologista Regina Célia Santos Valim, explica que o que mais preocupa é que as hepatites virais são doenças silenciosas, muitas vezes não apresentam sintomas. Esse desconhecimento faz com que a doença evolua no corpo do paciente, afetando cada vez mais o fígado. “O avanço das hepatites, sem o devido tratamento, pode levar a doenças graves como fibrose avançada ou cirrose, além de câncer, sendo necessária a realização de transplante de órgão. Por esse motivo, é de extrema importância que a pessoa saiba que está infectada para iniciar o tratamento o quanto antes”, esclarece a médica.

 É essencial que todo cidadão realize testes para a detecção das hepatites virais pelo menos uma vez na vida. Esse é o alerta do Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais, celebrado no dia 28 de julho. No caso das populações mais vulneráveis, a recomendação é que os testes sejam feitos periodicamente.

 Atualmente, existem testes rápidos para a detecção das hepatites virais que ficam prontos em menos de 30 minutos. Os testes podem ser realizados de forma gratuita nos serviços de saúde de todo o estado.

 A hepatite B não tem cura, mas pode ser prevenida com a vacinação e tratada com medicamentos disponíveis no SUS. Para a hepatite C não há vacina, mas o tratamento, também disponível no SUS, pode levar à cura. Tanto a hepatite B quanto a C, se não tratadas, podem causar hepatite aguda e crônica.

 Fonte: Secom/SC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

As regras para contratações temporárias e os instrumentos de cooperação com a iniciativa privada estão entre os pontos mais criticados pela oposição.
Pastor da Igreja Assembleia de Deus ressalta a importância da prevenção ao suicídio.
A vacinação em forma de Drive-Thru é realizada no Centro de Eventos Hermann Purnhagen.