- A informação que gera opinião!

Dupla é condenada por homicídio qualificado e ocultação de cadáver

Segundo a denúncia, a vítima foi casada com o irmão do réu, que se suicidou, e a crença no envolvimento da mulher nessa morte seria a motivação do crime.

Por Redação

26 de julho de 2021

às 12:40

Compartilhe

 Um homem de 44 anos e uma mulher de 38 foram condenados, em sessão do Tribunal Júri promovida nesta quinta-feira (22/7) na comarca de Criciúma, por homicídio qualificado, ocultação de cadáver e corrupção de menores.

 Segundo a denúncia, a vítima foi casada com o irmão do réu, que se suicidou, e a crença no envolvimento da mulher nessa morte seria a motivação do crime. Em 28 de dezembro de 2018, o réu, juntamente com seu filho adolescente e a corré, teriam atraído a vítima, que foi surpreendida, asfixiada e morta.

 Ela também recebeu cortes no pescoço e na barriga, foi enrolada em uma coberta e teve seu corpo ocultado em um matagal. Foi encontrada somente 38 dias após o crime, em uma área rural entre os municípios de Siderópolis e Treviso. O carro da mulher, utilizado no crime, foi incendiado.

 Por decisão do Conselho de Sentença, o réu foi condenado a 20 anos, oito meses e 20 dias de reclusão, em regime inicial fechado, pelos crimes de homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, asfixia e dissimulação e emboscada, corrupção de menores, ocultação de cadáver e dano qualificado.

 Já a mulher foi condenada a 16 anos e quatro meses de reclusão, em regime inicial fechado, pelos crimes de homicídio duplamente qualificado por asfixia e dissimulação e emboscada, corrupção de menores, ocultação de cadáver e dano qualificado. A dupla estava presa preventivamente desde fevereiro de 2019 e teve negado o direito de responder em liberdade. Cabe recurso da decisão ao TJSC.

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.