- A informação que gera opinião!

Dupla que assaltou e esfaqueou 25 vezes mulher trans é condenada no sul do Estado

Os dois réus foram condenados, pelo crime de tentativa de latrocínio, a 11 anos, cinco meses e quatro dias de reclusão, em regime inicial fechado, e ao pagamento de 146 dias-multa.

Por Redação

5 de julho de 2021

às 12:40

Compartilhe

 O juízo da 2ª Vara da comarca de Içara condenou dois homens por tentativa de latrocínio contra uma mulher trans, em crime registrado naquele município em outubro de 2020. Segundo a denúncia, um dos réus era cliente da vítima e a chamou para um programa íntimo, com a promessa de também quitar dívidas anteriores.

 A vítima foi buscá-lo de carro – com ele já estava o corréu. Ambos embarcaram no veículo. No trajeto, quando um dos pagamentos não foi autorizado na máquina de cartão da vítima, o denunciado anunciou o assalto e os dois, cada um com uma faca, desferiram diversos golpes contra a mulher.

 Ela foi atingida diversas vezes, com o registro de 25 perfurações nos braços, pernas, face e regiões torácica e cervical. O crime só não se consumou porque a vítima conseguiu se desvencilhar das agressões e sair do veículo. Já na rua, ela teve ajuda prestada por populares que moravam nas proximidades e, posteriormente, recebeu o devido atendimento médico. Os homens fugiram com o veículo e pertences da vítima.

 Os dois réus foram condenados, pelo crime de tentativa de latrocínio, a 11 anos, cinco meses e quatro dias de reclusão, em regime inicial fechado, e ao pagamento de 146 dias-multa. O processo correu em segredo de justiça. Cabe recurso da decisão ao TJSC.

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.