- A informação que gera opinião!

Dupla que matou para roubar pertences da vítima é condenada em Criciúma

Penas são de 30 e de 20 anos de reclusão em regime inicial fechado.

Por Redação

9 de agosto de 2021

às 14:40

Compartilhe

 Dois homens denunciados pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) por matarem um conhecido para roubar seus pertences foram condenados na Comarca de Criciúma. Um deles recebeu pena de 20 anos de reclusão e o outro, de 30 anos.

 A ação penal promovida pela 13ª Promotoria de Justiça da Comarca de Criciúma relata o crime praticado por Laerte dos Santos Demétrio e Rafael Maciel Fernandes no dia 3 de janeiro deste ano, quando os dois, que haviam sido convidados pela vítima para a sua casa, a mataram para roubar objetos de valor.

 Os dois criminosos levaram um aparelho celular, um relógio de pulso, uma filmadora, uma bicicleta, uma carteira contendo documentos e R$ 15,00, duas mochilas e algumas peças de roupas. Foi por meio da ativação do celular da vítima com o chip de outra pessoa, que o comprou diretamente dos assaltantes, que a polícia chegou aos dois criminosos.

 A dupla foi condenada pelo Juízo da 1ª Vara Criminal da Comarca de Criciúma por ter matado a vítima para roubar, crime considerado hediondo e chamado de latrocínio. 

 Rafael foi condenado a 20 anos de prisão em regime inicial fechado. A pena de Laerte foi mais alta, 30 anos, também em regime inicial fechado. O tempo de prisão foi aumentado devido aos seus antecedentes criminais, já que ele tinha cinco condenações por outros crimes.

 A decisão é passível de recurso, mas, como os dois estão presos preventivamente desde a fase investigatória, não poderão aguardar o julgamento de uma eventual apelação em liberdade.

 Fonte: MPSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.