- A informação que gera opinião!

Em quatro dias, dez mil doses são aplicadas na fronteira com a Argentina

A recomendação de antecipar a vacinação nestes municípios veio do Ministério da Saúde (MS).

Por Redação

29 de julho de 2021

às 09:40

Compartilhe

 Em apenas quatro dias, os dez municípios catarinenses que fazem fronteira com a Argentina e receberam doses extras para vacinar toda a população com 18 anos ou mais aplicaram 9.911 doses da vacina contra a Covid-19. Esse quantitativo corresponde a 40% das doses enviadas para a vacinação em massa dessa população.

 A recomendação de antecipar a vacinação nestes municípios veio do Ministério da Saúde (MS) e será realizada em todos os estados que fazem fronteira com Uruguai, Paraguai, Argentina, Bolívia, Peru, Colômbia e Venezuela. Para isso, o MS enviou a Santa Catarina 24.459 doses da vacina contra a Covid-19, número suficiente para vacinar toda a população com 18 anos ou mais, ainda não vacinada, destes dez municípios.

 O superintendente de Vigilância em Saúde, Eduardo Macário, ressaltou que essa ação vai proteger a saúde da população catarinense, tendo em vista que esses dez municípios possuem alto fluxo de circulação de pessoas pela fronteira e há uma possibilidade de disseminação de novas variantes do coronavírus. “Com toda a população adulta vacinada, conseguiremos evitar que, caso essas pessoas sejam expostas ao vírus, evoluam para formas graves e, até mesmo, venham a óbito”, explicou.

 Fonte: Secom/SC

Últimas notícias

Ao responsabilizar secretária Rozi Terezinha de Souza pela irregularidade envolvendo servidor que não bateu ponto no intervalo do almoço durante um ano, Eder Ceola foi enfático: “Ela tem que devolver esses R$ 7 mil [que o médico faturou a mais por mês] para o povo.” E acrescenta: “O que mais me deixa triste, é que dava pra tirar todas as filas da ressonância” com o dinheiro das horas extras pagas ao especialista de forma indevida.
Gestor público taioense terá que se empenhar bem mais para garantir a liberação de outros R$ 6 milhões necessários à construção do anexo do Hospital e Maternidade Dona Lisette e cumprir promessa de instalação de uma UTI no quinto andar do futuro bloco.
Para vergonha da sua gestão, Horst Alexandre Purnhagen (MDB) mantém o fracasso que vem do mandato anterior. O político ainda não conseguiu concluir uma simples ponte estaiada bem no coração da cidade. E o pior: um aditivo, recém-assinado, fez o custo do serviço aumentar R$ 470 mil.