- A informação que gera opinião!

Em vídeo bombástico, membros da Recicla apontam suspeita de fraude em licitação de serviço de coleta de lixo

Na entrevista a Marcos Roberto, eles afirmam: “foi um edital amarrado”, “teve favorecimento” e será comprovado “se o MP investigar”. Veja!

Por Redação

17 de agosto de 2021

às 09:05

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 Em uma entrevista exclusiva ao Radialista Marcos Roberto, gravada em vídeo, o presidente da Associação Recicla Rio do Sul, Ricardo Alessandro Claudiano, e a tesoureira da entidade, Luci Teresinha Machado, denunciam o suposto direcionamento no edital da licitação que escolheu a DML Coleta e Transportes de Resíduos Ltda para voltar a prestar o serviço de recolhimento de lixo em Taió, no Alto Vale do Itajaí (SC).

 Veja os relatos surpreendentes. Entre eles, a suspeita de um jogo de cartas marcadas que teria como principal artifício a exigência de um caminhão trucado 2019/2020 para eliminar concorrentes; a revelação de que a associação foi colocada de escanteio, mesmo com oferta de preço mais baixo; a licitação relâmpago que não deu chance de impugnação; o apelo ao Ministério Público de Santa Catarina; e as consequências dramáticas do fim da municipalização do serviço de lixo no município taioense.

 A reportagem do portal Alto Vale Agora pediu uma entrevista com o prefeito de Taió, Horst Alexandre Purnhagen (MDB), sobre o encerramento da municipalização do lixo e a contratação da empresa DML Coleta e Transportes de Resíduos Ltda. Em resposta, a assessoria de imprensa escreveu que “o gabinete informa que se manifestará no momento oportuno sobre o assunto”.

 Fonte: Da Redação

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Por que o prefeito Horst Alexandre Purnhagen (MDB) decidiu pagar R$ 216 mil mais caro? O que levanta outro questionamento: por que gestor não agiu para economizar? Empresa contratada deverá fazer serviço de geoprocessamento para elaboração de novo mapa territorial do município.
Uma das principais rodovias de Santa Catarina coleciona ‘panelas e crateras’. Precariedade desafia motoristas que escapam até pelo acostamento, detona veículos e coloca vidas em risco. Mas não parece envergonhar autoridades coniventes com o descaso.
“Há fundadas razões para que tenha ocorrido direcionamento no procedimento licitatório”, “superfaturamento” e custos quase triplicados em contrato de R$ 1,36 milhão, alerta representação encaminhada por Eder Ceola.