- A informação que gera opinião!

Empresa que tentou burlar proibição de contratar com o Poder Público é multada em R$ 600 mil

Liminar em ação ajuizada pelo MPSC por suposta fraude em concurso público proibia novos contratos.

Por Redação

15 de outubro de 2021

às 13:20

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) obteve a aplicação de multa de R$ 600 mil a uma empresa promotora de concursos públicos por ter desrespeitado uma decisão judicial. Os sócios da empresa deixaram de dar publicidade à proibição de contratar com o poder público, conforme determinava uma decisão liminar, e constituíram nova empresa para voltar à atividade.

 O pedido de aplicação da multa foi feito pela Promotoria de Justiça da Comarca de Santa Cecília, autora da ação na qual foi deferida a medida liminar proibindo a empresa, suspeita de fraude em concurso público na Prefeitura de Santa Cecília, de contratar com o poder público. A suposta fraude foi investigada na Operação X da Questão, desenvolvida pela Promotoria de Justiça com o apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) e do Grupo Especial Anticorrupção (GEAC).

 A liminar, entre outras determinações, exigia a publicação de banner destacado no site da empresa NBS Serviços Especializados exibindo o teor da decisão judicial que a proibia de firmar novos contratos com o poder público. Na ocasião da concessão da liminar, o Juízo da comarca estabeleceu multa diária de R$ 2 mil em caso de descumprimento.

 No pedido, o Promotor de Justiça Otávio Augusto Bennech Aranha Alves relata que diligências realizadas pelo Ministério Público detectaram que, além de não dar publicidade à liminar, houve uma série de alterações na constituição da pessoa jurídica a partir de um mês após a decisão judicial, supostamente a fim de burlar a proibição: uma das sócias foi retirada da participação na empresa; a sede foi mudada; a razão social passou para NR Consultoria Pública e Privada; o endereço e os objetivos também foram modificados.

 Apenas três dias depois de deixar a participação societária da NBS Serviços Especializados, a ex-sócia constituiu uma nova empresam denominada NBS Provas, com a mesma finalidade e no mesmo endereço da anterior.

 Por meio dessas novas empresas – NR Consultoria Pública e Privada e NBS Provas -, teriam sido firmados novos contratos com pelo menos dois municípios: Cunhataí e São João Batista.

 Diante dos fatos apurados, o Promotor de Justiça requereu a aplicação da multa diária pelo período no qual a empresa descumpriu a decisão após intimada, que soma 300 dias. Além disso, pediu à Justiça a desconsideração da personalidade jurídica da empresa a fim de estender a decisão liminar às pessoas físicas dos empresários e qualquer outra pessoa jurídica constituída por eles como sócios ou proprietários.

 Os pedidos do MPSC foram deferidos pelo Juízo da Comarca de Santa Cecília, que aplicou a multa no valor de R$ 600 mil, a serem revertidos ao Fundo para Reconstituição de Bens Lesados (FRBL), que financia projetos que atendem a interesses da sociedade.

 Além disso, foi reconhecida a prática de ato atentatório à dignidade da Justiça (em razão da constituição da nova empresa e da realização de uma série de contratos com o poder público por parte dessa empresa) e fixada outra multa, de 20% sobre o valor da causa.

 A decisão é passível de recurso.

 Fonte: MPSC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Estabelecimento já havia sido interditado em maio pela Vigilância Sanitária por falta de alvará, mas teria continuado em operação, inclusive aplicando testes em tendas espalhadas pela cidade. MPSC apura supostos crimes contra o consumidor e a saúde pública, como testes que não teriam registro na ANVISA e falta de alimentação do sistema oficial do Ministério da Saúde (E-SUS/VE) para acompanhamento e estatísticas da covid-19.
O julgamento do grupo ocorre após quatro meses de sua prisão.