- A informação que gera opinião!

Estado inicia imunização em lactantes e retoma aplicação de doses em gestantes e puérperas sem comorbidades

O governador Carlos Moisés sancionou na quinta-feira (17) a lei de autoria do deputado João Amin que incluiu as mulheres em período de amamentação no grupo prioritário.

Por Redação

21 de junho de 2021

às 11:20

Compartilhe

 Com a chegada de novas doses a Santa Catarina e a distribuição aos municípios, a vacinação das lactantes, mulheres em fase de amamentação, maiores de 18 anos, poderá ter início.

 “Essa é uma importante ação para avançar ainda mais na cobertura de vacinação contra a Covid-19 em Santa Catarina. Com a imunização, protegemos as mães e as crianças, nossa futura geração”, afirmou.

 Para que possam ser vacinadas, as lactantes devem apresentar prescrição ou declaração médica que ateste a sua condição, além de documento de identidade com foto e/ou cartão SUS. A vacina contra a Covid-19 para este público também deve ser prescrita pelo médico que acompanha a mulher, após análise conjunta da avaliação de riscos e benefícios do uso da vacina.

 Este grupo só poderá ser vacinado com doses das vacinas dos laboratórios Sinovac/Butantan e Pfizer.

 A ordem de vacinação das lactantes depende do quantitativo de doses recebido do Ministério da Saúde e deve seguir as datas:

 Lactantes que amamentam crianças:

 – com até 6 meses de idade poderão ser vacinadas a partir de 19 de junho

 – entre 6 meses a < de 1 ano de idade, a partir de 26 de junho;

 – entre 1 ano a < de 2 ano de idade, a partir de 3 de julho;

 – maiores de 2 anos de idade, a partir de 10 de julho.

 Fonte: Secom/SC

Últimas notícias

Ao responsabilizar secretária Rozi Terezinha de Souza pela irregularidade envolvendo servidor que não bateu ponto no intervalo do almoço durante um ano, Eder Ceola foi enfático: “Ela tem que devolver esses R$ 7 mil [que o médico faturou a mais por mês] para o povo.” E acrescenta: “O que mais me deixa triste, é que dava pra tirar todas as filas da ressonância” com o dinheiro das horas extras pagas ao especialista de forma indevida.
Gestor público taioense terá que se empenhar bem mais para garantir a liberação de outros R$ 6 milhões necessários à construção do anexo do Hospital e Maternidade Dona Lisette e cumprir promessa de instalação de uma UTI no quinto andar do futuro bloco.
Para vergonha da sua gestão, Horst Alexandre Purnhagen (MDB) mantém o fracasso que vem do mandato anterior. O político ainda não conseguiu concluir uma simples ponte estaiada bem no coração da cidade. E o pior: um aditivo, recém-assinado, fez o custo do serviço aumentar R$ 470 mil.