- A informação que gera opinião!

Estado vai testar estudantes e profissionais da Educação com suspeita de Covid-19

A medida foi comunicada pelo secretário de Estado da Educação, Luiz Fernando Vampiro, nesta quinta-feira (29).

Por Redação

30 de julho de 2021

às 11:00

Compartilhe

 O Governo de Santa Catarina anunciou de forma oficial nesta quinta-feira, 29, que começará um projeto piloto para testar estudantes, professores e servidores com suspeita de Covid-19. A medida foi comunicada pelo secretário de Estado da Educação, Luiz Fernando Vampiro, durante reunião do Comitê de Retomada das Aulas Presenciais no início da tarde. Outra novidade aprovada foi a atualização do distanciamento entre os estudantes em sala de aula de 1,5 m para 1 m.

 Luiz Fernando Vampiro explica que a aplicação de testes será estabelecida por um Termo de Cooperação Técnica entre as Secretarias de Estado da Educação (SED) e da Saúde (SES). “Tivemos várias conversas e entendemos que precisamos colocar o que há de mais moderno para a educação. Se alunos e professores forem afastados por suspeita de contaminação, será possível acelerar o retorno às atividades presenciais com os testes. Santa Catarina será protagonista novamente, com um processo de biossegurança moderno.”

 Como ocorrerá a testagem

 Após a identificação de um caso suspeito, a equipe gestora da escola encaminhará aluno, professor ou servidor com sintomas ao posto de saúde de cada município. Durante o segundo semestre, a testagem será feita nas regiões que apresentarem maiores índices de contaminação pela Covid-19.

 A partir de 2022, após análise de resultados do projeto piloto e uma ampliação do ensino presencial, a intenção é estender a iniciativa para toda Santa Catarina, como completa o secretário Vampiro. “Com esta experiência, estaremos ainda mais preparados a partir do ano que vem para uma retomada total. É um plano de governo, com testes que o Estado fornecerá. Nós temos uma conversa unificada e é assim que devemos tratar a educação catarinense.”

 Fonte: Secom/SC

Últimas notícias

Ao responsabilizar secretária Rozi Terezinha de Souza pela irregularidade envolvendo servidor que não bateu ponto no intervalo do almoço durante um ano, Eder Ceola foi enfático: “Ela tem que devolver esses R$ 7 mil [que o médico faturou a mais por mês] para o povo.” E acrescenta: “O que mais me deixa triste, é que dava pra tirar todas as filas da ressonância” com o dinheiro das horas extras pagas ao especialista de forma indevida.
Gestor público taioense terá que se empenhar bem mais para garantir a liberação de outros R$ 6 milhões necessários à construção do anexo do Hospital e Maternidade Dona Lisette e cumprir promessa de instalação de uma UTI no quinto andar do futuro bloco.
Para vergonha da sua gestão, Horst Alexandre Purnhagen (MDB) mantém o fracasso que vem do mandato anterior. O político ainda não conseguiu concluir uma simples ponte estaiada bem no coração da cidade. E o pior: um aditivo, recém-assinado, fez o custo do serviço aumentar R$ 470 mil.