- A informação que gera opinião!

Girão critica Ministério Público Federal por postura em relação ao aborto

O senador também criticou a rede de filantropia Open Society.

Por Redação

6 de outubro de 2021

às 12:20

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 Em pronunciamento nesta terça-feira (5), o senador Eduardo Girão (Podemos-CE) criticou o Ministério Público Federal por defender a realização do aborto por telemedicina. A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, órgão vinculado ao Ministério Público Federal, informou que o posicionamento divulgado em nota técnica refere-se à interrupção legal da gravidez resultante de estupro.

 Girão afirmou que o aborto é um crime no Brasil e só não deve ser punido em casos de estupro, anencefalia e risco de vida para a mãe. Além disso, destacou que a telemedicina em vários casos é aplicada com sucesso, mas não com o aborto — que, argumentou ele, pode provocar sequelas físicas e emocionais para as mães.

 O senador também registrou que enviou um ofício ao Procurador-Geral da República para obter informações sobre as razões que levaram a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão a “emitir parecer tão infeliz”. Além disso, ele disse que entrará com uma reclamação junto ao Conselho Nacional do Ministério Público por entender que não se pode “extrapolar o limite constitucional do direito à vida e à saúde”.

 O senador também criticou a rede de filantropia Open Society, do investidor George Soros. Segundo Girão, a fundação internacional desenvolveu uma cartilha para ensinar a abortar.

 — Um amontoado de células, muita gente acha que é um pedacinho de carne, mas não é não, já está formado no período do aborto. E não é só a vida dessa criança que é destruída. A saúde da mulher fica com consequências para o resto da existência, de ordem emocional, mental, psicológica e física.

 Fonte: Agência Senado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Críticos consideram mecanismo autoritário, atentado à vacinação não obrigatória e risco à disseminação do vírus, além de criar ‘cidadãos de segunda classe’. No entanto, maioria dos prefeitos ouvidos na região defende ideia, apesar de ainda não haver planos para decretar medida. Outra parte dos gestores alerta que ação fere direitos, além de ameaçar liberdades. E, ao passaporte sanitário, eles dizem: “não”.
Deputados parabenizaram e pediram valorização dos professores durante a sessão plenária.
O senador Wellington Fagundes (PL-MT) homenageou todas as entidades que desenvolvem projetos solidários ou de grande relevância social.