- A informação que gera opinião!

Governo do Estado investirá R$ 3,3 milhões para pavimentação da Rota da Cachaça, em Luiz Alves

A assinatura do convênio para a pavimentação ocorreu na manhã desta segunda-feira, 21, em ato com a presença do governador Carlos Moisés.

Por Redação

22 de junho de 2021

às 11:40

Compartilhe

 As vias que compõem a Rota da Cachaça, em Luiz Alves, serão asfaltadas por meio de um investimento de R$ 3,3 milhões do Governo do Estado. Serão beneficiadas as ruas Vereador Otto Wruck, Fratelli Signorelli, Roberto Rech e a Estrada Geral Ribeirão do Bugre.

 Durante a visita a Luiz Alves, o governador foi ao Bairro Francês, um dos que será contemplado com a chegada do asfalto, e destacou que a pavimentação impulsionará o turismo e a produção regional.

 “Essa obra de pavimentação vai beneficiar os produtores, reduzindo o seu custo logístico, e aqueles que visitam Luiz Alves e a Rota da Cachaça. É uma obra que vai trazer acessibilidade e segurança para todos. Queremos fazer isso em todas as regiões de Santa Catarina que possuam atrativos para os turistas. A infraestrutura atrai cada vez mais pessoas”, diz o governador.

 Luiz Alves é considerada a Capital Catarinense da Cachaça. Os produtos da cidade são comercializados em diversas regiões do país e até mesmo exportados em alguns casos. Segundo o prefeito Marcos Pedro Veber, Luiz Alves hoje é uma referência para o setor, pois suas cachaças são sinônimo de destilados de qualidade. Ele destaca que o convênio assinado nesta segunda-feira é o maior da história do município.

 “Hoje é um dia de muita alegria para o município de Luiz Alves. Recebemos o governador Carlos Moisés para assinar o maior repasse de recursos da história. Trata-se de um marco para o desenvolvimento turístico e econômico da nossa cidade. Teremos acesso pavimentado a todos os alambiques que fazem parte da Rota da Cachaça”, conta Veber.

 Fonte: Secom/SC

Últimas notícias

Ao responsabilizar secretária Rozi Terezinha de Souza pela irregularidade envolvendo servidor que não bateu ponto no intervalo do almoço durante um ano, Eder Ceola foi enfático: “Ela tem que devolver esses R$ 7 mil [que o médico faturou a mais por mês] para o povo.” E acrescenta: “O que mais me deixa triste, é que dava pra tirar todas as filas da ressonância” com o dinheiro das horas extras pagas ao especialista de forma indevida.
Gestor público taioense terá que se empenhar bem mais para garantir a liberação de outros R$ 6 milhões necessários à construção do anexo do Hospital e Maternidade Dona Lisette e cumprir promessa de instalação de uma UTI no quinto andar do futuro bloco.
Para vergonha da sua gestão, Horst Alexandre Purnhagen (MDB) mantém o fracasso que vem do mandato anterior. O político ainda não conseguiu concluir uma simples ponte estaiada bem no coração da cidade. E o pior: um aditivo, recém-assinado, fez o custo do serviço aumentar R$ 470 mil.