- A informação que gera opinião!

Gravíssimo: Comparação de contratos revela absurdo e põe em xeque formação de preço do serviço de transporte de lixo

Taió: Mais perto, mais caro. Salete: Mais longe, mais barato! O que estaria por trás dessa estranha equação que resulta em custo pago com dinheiro do povo?

Por Redação

24 de agosto de 2021

às 08:40

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 A comparação de dois contratos firmados entre prefeituras vizinhas, no mesmo mês, com a mesma empresa, coloca em dúvida a lisura na formação do preço pago pela prestação do serviço de coleta e transporte de lixo na região do Alto Vale do Itajaí, em Santa Catarina.

 Os documentos revelam que o município localizado mais perto do aterro sanitário, estranhamente, paga mais caro pelo deslocamento dos resíduos urbanos enquanto a cidade mais distante tem custo menor com a contratação do mesmo trabalho.

 Taió e Salete

 A discrepância foi identificada na confrontação dos acordos fechados no mês de julho pelas prefeituras de Taió e Salete, no Vale Oeste, com a empresa DML Coleta e Transportes de Resíduos Ltda.

 Este é o mais novo capítulo da polêmica em torno dos negócios milionários envolvendo órgãos públicos e a prestação de um serviço onde as desconfianças crescem a cada dia que passa.

 Como assim?

 A licitação do lixo em Taió e Salete ocorreu no mesmo dia. Uma, na parte da manhã; outra, à tarde. Já os contratos de prestação do serviço foram assinados no mês passado com diferença de menos de duas semanas.

 A incoerência entre os acordos estabelecidos salta aos olhos e pesa negativamente sobre o município taioense.

 Em relação à cidade de Salete, Taió fica 16 quilômetros mais perto do aterro sanitário de Otacílio Costa, na Serra Catarinense, local onde os resíduos são depositados. Porém, enquanto o contribuinte taioense arca com o custo de R$ 380,00 para a remoção de cada tonelada de lixo urbano, o cidadão saletense paga R$ 348,00 pelo transporte de igual quantidade levada para o mesmo destino. Ou seja, R$ 32,00 mais em conta, apesar da distância maior.

 Ambos os contratos têm duração de 12 meses. O de Salete, cidade menor que o município vizinho, tem valor inicial de R$ 351.900,00, de acordo com dados publicados no Portal da Transparência. Já Taió prevê valor inicial do serviço na ordem de R$ 1,36 milhão.

 E tem mais…

 Até meados de 2020, a prefeitura de Taió gastava R$ 130,00 por tonelada. No entanto, o novo acordo, assinado no final de julho passado, tem o valor aumentado em quase três vezes (R$ 380,00).

 A reviravolta ocorre após a atual gestão enterrar o projeto da municipalização do serviço de lixo e provoca uma polêmica sem precedentes no município.

 Enquanto isso, o executivo faz silêncio sobre os pontos suspeitos do assunto.

 Salete: Custo menor e coleta seletiva

 Além de a licitação ter garantido um custo menor para o transporte do lixo – apesar da distância maior até o aterro sanitário -, a prefeitura de Salete foca em outra iniciativa: a coleta seletiva.

 De acordo com a secretária de Administração e Finanças, Solenir Teresinha de Amorim Venturi, o município firmou em julho um convênio com o Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí (Unidavi). Trata-se de um projeto piloto e sem custo para os cofres públicos, explica a secretária. A implantação da coleta seletiva deverá iniciar pelas escolas. O início está previsto para setembro, após o retorno das aulas presenciais.

 Taió: Custo maior, coleta seletiva paralisada e na contramão

 Já em Taió, que paga mais caro pelo transporte do lixo em relação à prefeitura de Salete, a municipalização foi abandonada para a retomada da terceirização do serviço. A coleta seletiva também parou, segundo informação da Associação Recicla Rio do Sul.

 A decisão vai na contramão até mesmo de um plano regional estratégico que traça a implantação da coleta seletiva e a destinação final do lixo. Essa ideia vem do consórcio liderado pela Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí (Amavi), resultou na aquisição de um terreno em Trombudo Central e deverá abranger todos as cidades que integram a entidade.

 De acordo com a secretária Solenir Teresinha de Amorim Venturi, a parte da coleta seletiva começará a funcionar já em 2022.

 Fonte: Da Redação

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Por que o prefeito Horst Alexandre Purnhagen (MDB) decidiu pagar R$ 216 mil mais caro? O que levanta outro questionamento: por que gestor não agiu para economizar? Empresa contratada deverá fazer serviço de geoprocessamento para elaboração de novo mapa territorial do município.
Uma das principais rodovias de Santa Catarina coleciona ‘panelas e crateras’. Precariedade desafia motoristas que escapam até pelo acostamento, detona veículos e coloca vidas em risco. Mas não parece envergonhar autoridades coniventes com o descaso.
“Há fundadas razões para que tenha ocorrido direcionamento no procedimento licitatório”, “superfaturamento” e custos quase triplicados em contrato de R$ 1,36 milhão, alerta representação encaminhada por Eder Ceola.