- A informação que gera opinião!

Homem denunciado por feminicídio e ocultação de cadáver é condenado

Conselho de Sentença condenou o homem pelos ocultação de cadáver e feminicídio qualificado, a mais de 20 anos de prisão.

Por Redação

23 de agosto de 2021

às 12:20

Compartilhe

 O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) obteve a condenação de um homem que matou e ocultou o cadáver da companheira em Lages. O Conselho de Sentença condenou o réu a mais de 20 anos de prisão, em julgamento realizado nesta quinta-feira (19/8).

 Conforme a denúncia da 11ª Promotoria de Justiça da Comarca de Lages, o homem utilizou uma barra de ferro para bater na mulher e, assim, constrangê-la, para em seguida obriga-la a manter relações sexuais. A mulher prestou queixa por estupro e não queria mais continuar a relação.

 Inconformado com o registro na polícia e com o término do relacionamento, ele voltou a agredi-la com uma barra de ferro e a dar socos e chutes na cabeça e no corpo dela. Em seguida, ele a esganou e sufocou com um travesseiro. A mulher não resistiu às agressões e morreu.

 O acusado escondeu o corpo da vítima sob o assoalho da casa e fugiu do local. Conforme a denúncia, o crime foi cometido entre os dias 10 e 12 de fevereiro de 2019.O Promotor de Justiça Fabrício Nunes sustentou que o homem cometeu o crime para se vingar da mulher, o que qualificou a sua motivação torpe. O Promotor também enfatizou a forma cruel como a vítima foi morta.

 O Conselho de Sentença condenou o homem pelo crime de feminicídio qualificado ¿ por motivo torpe, uso de meio cruel e por ter sido cometido no contexto de violência doméstica e familiar. O réu também foi condenado por ocultação de cadáver. A pena aplicada foi de 20 anos e 3 meses de reclusão em regime inicial fechado.

 O acusado foi preso preventivamente após estar foragido e, embora a decisão seja passível de recurso, ele não poderá recorrer em liberdade.

 Fonte: MPSC

Últimas notícias

Os profissionais chegaram a ser aplaudidos durante a pandemia, mas agora são alvo de desprezo de políticos que, em falha grave, estão passando por cima de uma lei federal; e poderão ser responsabilizados por isso.
Ao acatar representação do vereador Eder Ceola, Ministério Público solicitou vasta lista de informações à secretária de Saúde, Rozi de Souza.
Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.