- A informação que gera opinião!

Homem é condenado a 24 anos de prisão por assassinato cometido com espada

O crime ocorreu em Orleans, na Serra Catarinense.

Por Redação

27 de agosto de 2021

às 12:20

Compartilhe

O Tribunal do Júri da comarca de Orleans condenou um homem a 24 anos de prisão pelos crimes de homicídio e tentativa de homicídio duplamente qualificados. No mesmo júri, uma mulher também foi condenada por tentativa de homicídio. A sessão de julgamento, promovida na última quarta-feira (25/8) e presidida pela juíza titular Bruna Canella Becker, titular da 2ª Vara da comarca, durou 13 horas e aconteceu na Câmara de Vereadores de Orleans.

 De acordo com os autos, o casal, junto com um adolescente filho da ré, teria invadido a casa das vítimas enquanto elas dormiam, durante a madrugada em março de 2020, no bairro Rio das Furnas, cidade-sede da comarca. A primeira vítima, um homem, foi golpeado 14 vezes com uma espada artesanal e morreu no local. A outra vítima, uma mulher, embora atacada com sarrafadas, sobreviveu ao desmaiar e ser tomada por morta por seus agressores.

 O homem foi condenado por homicídio e tentativa de homicídio duplamente qualificados, mediante recurso que dificultou a defesa da vítima e por motivo torpe, pelos crimes serem cometidos em razão de dívida por drogas, além do crime de corrupção de menores, à pena de 24 anos e quatro meses de reclusão, em regime inicial fechado. A mulher foi condenada por tentativa de homicídio duplamente qualificado e corrupção de menores à pena de nove anos, sete meses e 26 dias de reclusão, em regime inicial fechado. Foi negado o direito de recorrer em liberdade, com a manutenção da prisão preventiva dos acusados. Cabe recurso da decisão ao TJSC. O processo tramitou em segredo de justiça.​

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.