- A informação que gera opinião!

Homem é condenado por júri popular a 21 anos pela morte da companheira

Ele não poderá recorrer da decisão em liberdade.

Por Redação

16 de julho de 2021

às 13:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 O Tribunal do Júri da comarca de Blumenau condenou um homem a 21 anos e quatro meses de reclusão, em regime fechado, pela morte da companheira. O crime, que comoveu a comunidade blumenauense, ocorreu em outubro de 2019 no bairro Tribess. O corpo da vítima foi encontrado em avançado estado de putrefação, quando vizinhos começaram a sentir um cheiro forte que vinha da casa da vítima e acionaram a Polícia Militar.

 O Conselho de Sentença, em sessão realizada na última quarta-feira (14/7), reconheceu que o réu praticou o crime por motivo torpe, emprego de asfixia, uso de recurso que dificultou a defesa da vítima e feminicídio. Ele não poderá recorrer da decisão em liberdade, uma vez que sua prisão ainda se faz necessária para a garantia da ordem pública.

 Conforme denúncia do Ministério Público, antes de consumar o assassinato, ele já havia ateado fogo à casa da vítima, promovido agressões e ameaçado matá-la. A vítima, que foi morta a facadas, denunciara o companheiro por violência doméstica e ameaças. Após o crime, o réu fugiu para o Rio Grande do Sul, onde foi preso dias depois.

 A sessão do Tribunal do Júri foi presidida pelo juiz Eduardo Passold Reis, da 1ª Vara Criminal da comarca de Blumenau. A acusação, desempenhada pelo promotor de Justiça Odair Tramontin; e a defesa, pelo defensor público Arthur Herman Calabria Lundgren de Albuquerque. O júri popular ocorreu a portas fechadas, sem a presença do público, em respeito às normas impostas por causa da pandemia de Covid-19. Da decisão cabe recurso

 Fonte: TJSC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Valor inclui multas aplicadas em ação por ato de improbidade administrativa em virtude de fraude em dispensas de licitação.
Ela foi condenada pelo crime de homicídio qualificado, ocorrido em cidade do Vale do Itajaí.
O Conselho de Sentença condenou os réus por homicídio duplamente qualificado por matarem mãe e filho carbonizados e por motivo fútil.