- A informação que gera opinião!

Homem que cometeu tentativa de homicídio em Lages motivado por rivalidade é condenado a 8 anos e 6 meses de prisão

Réu foi condenado pelo Tribunal do Júri da Comarca de Lages por tentativa homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil e por dificultar defesa da vítima.

Por Redação

18 de junho de 2021

às 14:10

Compartilhe

 O Tribunal do Júri da Comarca de Lages condenou um homem por tentativa de homicídio duplamente qualificado. A condenação ocorreu nesta quinta-feira (17/6) em sessão do Conselho de Sentença. O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) denunciou Lucas Tadeu Peixe pela tentativa homicídio de Rafael Branco de Liz e ele fosse julgado pelo Júri. 

 O crime ocorreu em fevereiro de 2020 em Lages. Lucas abordou Rafael pelas costas e disparou com uma arma de fogo. No momento do crime, Rafael conversava com outros dois amigos na rua, e não viu o réu se aproximar. Ao disparar contra o grupo, Rafael foi atingido e conseguiu correr para buscar ajuda. O réu foi motivado por razão fútil para cometer o crime, a turma a qual ele faz parte seria rival da turma que Rafael é integrante.

 Na denúncia, a Promotora de Justiça Luciana Uller Marin, destacou que o réu cometeu o crime motivado por motivo fútil, por ter sido motivado por uma rivalidade entre grupos. A Promotora ressaltou que a vítima não desconfiou do ataque, pois foi atingida pelas costas. A Promotora também frisou que o réu só não conseguiu matar a vítima, pois ele foi socorrido e recebeu atendimento médico de forma rápida.

 O Conselho de Sentença considerou o réu culpado por tentativa de homicídio duplamente qualificado pelo motivo torpe e por impossibilitar a defesa da vítima. Ele foi penalizado pela Justiça com 8 anos e 6 meses de prisão em regime fechado. A sentença é passível de recurso. Porém o réu, que permaneceu em prisão preventiva durante o curso do processo, não poderá fazê-lo em liberdade.

 Fonte: MPSC

Últimas notícias

Os profissionais chegaram a ser aplaudidos durante a pandemia, mas agora são alvo de desprezo de políticos que, em falha grave, estão passando por cima de uma lei federal; e poderão ser responsabilizados por isso.
Ao acatar representação do vereador Eder Ceola, Ministério Público solicitou vasta lista de informações à secretária de Saúde, Rozi de Souza.
Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.