- A informação que gera opinião!

Homem que matou mulher com 95 facadas em Joinville é condenado

O réu foi condenado a 21 anos de prisão em regime fechado.

Por Redação

19 de agosto de 2021

às 10:20

Compartilhe

 O Tribunal do Júri da comarca de Joinville, em sessão sob a presidência do juiz Márcio Schiefler Fontes, condenou nesta semana (17) um homem pelo assassinato de uma mulher. Sua pena foi fixada em 21 anos de reclusão, em regime fechado. A maioria dos jurados reconheceu as qualificadoras do crime, cometido com emprego de meio cruel e também mediante recurso que dificultou ou impossibilitou a defesa da vítima. O promotor Ricardo Paladino atuou na acusação, enquanto o advogado Alexandre Campolinda esteve responsável pela defesa do réu.

 De acordo com a denúncia do Ministério Público, na noite de 19 de dezembro de 2019, no bairro Boa Vista, o réu desferiu 95 golpes de faca na região do pescoço e também em outras partes do corpo da vítima, o que determinou sua morte. O homem e a mulher eram vizinhos e, sempre segundo o MP, tinham por hábito comum o consumo eventual de drogas,

 A denúncia aponta ainda que o homicídio foi cometido com emprego de meio cruel, pois o denunciado desferiu diversos golpes de faca em várias regiões do corpo da vítima, e com emprego de recurso que dificultou a defesa da ofendida, atacada repentinamente, sem que esperasse ser agredida. Tudo isso, somado à nítida superioridade física do agressor, reduziu sua possibilidade de defesa.

 Durante o interrogatório na sessão do júri, o réu fez declarações consideradas, no corpo da sentença, frágeis e mesmo contraditórias, numa tentativa de desvencilhar-se da gravidade da conduta e não para auxiliar na descoberta da verdade dos fatos. O réu já estava preso preventivamente no Complexo Prisional de Joinville, também por decisão do juiz Márcio Schiefler Fontes, e assim prosseguirá, mesmo que venha a interpor recurso contra a decisão

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.