- A informação que gera opinião!

Homem que tentou matar inimigo trancando-o no porta-malas e ateando fogo é condenado

Réu acreditava que vítima pertencia a uma facção rival e foi condenado por tentativa de homicídio duplamente qualificada cometida em 2018.

Por Redação

5 de outubro de 2021

às 10:40

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 Um homem denunciado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) pela tentativa de homicídio de um suposto integrante de facção rival e por integrar organização criminosa foi condenado pelo Tribunal do Júri da Comarca de Blumenau. A pena aplicada pela Justiça foi de 14 anos e oito meses de reclusão, em regime inicial fechado.

 A ação penal ajuizada pela 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Blumenau relata o crime cometido no início da noite do dia 18 de novembro de 2018, por volta das 18h45min, no Bairro Fidélis.

 Conforme a ação penal, o reú e mais dois indivíduos não identificados encontraram a vítima em um local conhecido como cracolândia, no Bairro Itoupavazinha e suspeitaram que ela seria integrante de uma facção rival.

 Os criminosos, então, convenceram a vítima a entrar no carro, onde o enforcaram até perder os sentidos. Em seguida, a colocaram no porta-malas do veículo e foram até outro local, no Bairro Fidélis. Ali atearam fogo no carro, com a vítima trancada do porta-malas, que só não morreu porque conseguiu se desamarrar e arrobar a porta para fugir antes de ser queimada viva.

 A Promotora de Justiça Andrea Gevaerd sustentou no julgamento que o acusado praticou tentativa de homicídio triplamente qualificada, pelo uso do fogo, pelo motivo torpe e pelo uso de recurso que dificultou a defesa da vítima. Além disso, imputou ao réu o crime de integrar organização criminosas.

 Os jurados, que formam o Conselho de Sentença, concordaram com a tese do Ministério Público, e condenaram o réu pelos crimes denunciados. A pena de mais de 14 anos aplicada pelo Juízo do Tribunal do Júri deverá ser cumprida em regime inicial fechado.

 A sentença é passível de recurso, mas o réu, preso preventivamente para a garantia da ordem pública, não poderá fazê-lo em liberdade.

 Fonte: MPSC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Liminar em ação ajuizada pelo MPSC por suposta fraude em concurso público proibia novos contratos.
A decisão é do 2º Juizado Especial Cível da comarca de Balneário Camboriú.
Ação da 1ª Promotoria de Justiça aponta suposta prática de homicídio triplamente qualificado: como feminicídio, pelo motivo torpe e por impossibilitar a defesa da vítima.