- A informação que gera opinião!

Hospital Regional do Oeste recebe meio milhão de reais do PJSC para combate à Covid-19

A doação é decorrente do cumprimento das penas de prestação pecuniária, da homologação de transações penais e da suspensão condicional de processos.

Por Redação

23 de junho de 2021

às 12:20

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 “Não poderia chegar em melhor hora!”. Foi com essa frase que o presidente da diretoria executiva do Hospital Regional do Oeste (HRO), Reinaldo Fernandes Lopes, agradeceu o repasse de R$ 500 mil feito pelo Poder Judiciário de Santa Catarina na tarde de ontem (21/6). A doação é decorrente do cumprimento das penas de prestação pecuniária, da homologação de transações penais e da suspensão condicional de processos. A juíza diretora do foro da comarca de Chapecó, Maira Salete Meneghetti, e o juiz do 2º Juizado Especial da comarca, Juliano Serpa, visitaram a unidade de saúde para oficializar a doação. O valor deve ser utilizado exclusivamente para combater a pandemia de Covid-19.

 A frase de alívio do presidente do HRO se refere à necessidade de compra de neurobloqueadores, medicamentos que garantem a sedação do paciente intubado por complicações do coronavírus. “Cada paciente internado precisa de muita medicação e não tínhamos mais dinheiro para comprar. Temos 102 leitos exclusivos, todos ocupados. Esse repasse é de grande importância para o hospital. Vai nos ajudar a salvar vidas!”, comemorou Lopes.

 O diretor-geral do HRO, Osmar Arcanjo de Oliveira, complementou com a atualização de valores ocorrida no decorrer da pandemia. “No início de 2020, comprávamos a ampola do medicamento em questão por R$ 2,54 e podíamos pagar com prazo de 30, 60 e 90 dias. Hoje, o preço é de R$ 32 a unidade e o pagamento precisa ser à vista. Tal situação desequilibrou o financeiro do hospital, que vinha em boa situação há bastante tempo. O recurso vindo do Poder Judiciário nos ajuda a voltar à estabilidade”, explica.

 De acordo com Oliveira, em 2020 foram gastos pouco mais de R$ 260 mil em compras de neurobloqueadores. Em 2021, a aquisição do medicamento já passa de R$ 800 mil. Cada paciente com Covid-19 permanece, em média, 31 dias internado na UTI do HRO. E o doente precisa estar sedado em 80% do tempo de internação para diminuir o desconforto causado pela intubação e garantir o tratamento. Por isso o grande consumo do remédio. Atualmente, o índice de recuperação dos internados na UTI-Covid da unidade de saúde é de 60%.

 A juíza Maira reforça que o recurso é oriundo do cumprimento de penas de prestação pecuniária, transação penal e suspensão condicional do processo. “Há o compromisso do PJSC de auxiliar no combate ao coronavírus. Queremos contribuir para que a situação seja controlada e volte à normalidade, dentro de um nível adequado de segurança, o mais rápido possível”, destacou.

 Serpa lembrou que a primeira destinação de verbas com esse fim, realizada pelo PJSC, foi em março de 2020. No início da pandemia, R$ 10 milhões foram repassados para a Secretaria de Estado da Saúde. “Desta vez, o Poder Judiciário decidiu contribuir diretamente com os hospitais. Em nossa região, o Hospital Regional do Oeste foi a instituição escolhida para ser beneficiada, pela abrangência do atendimento prestado. Assim, o recurso é direcionado para a necessidade emergencial da unidade de saúde”, enfatizou o magistrado.

 Na ocasião da entrega simbólica do valor, também estiveram presentes a chefe de secretaria do foro da comarca de Chapecó, Suzeli Scheffer Lucietto; o vice-presidente da diretoria executiva do HRO, Celso Edmar Grando Coletti; e os assessores jurídicos do HRO, Paulo Gilberto Zandavalli Winckler e Antonio Zanella Neto. Os membros da diretoria do hospital prestarão contas da utilização dos recursos.​

 Fonte: TJSC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

O estudo faz parte de um projeto, iniciado em 2020, para criar um novo kit de detecção do coronavírus.
Liminar em ação ajuizada pelo MPSC por suposta fraude em concurso público proibia novos contratos.
A decisão é do 2º Juizado Especial Cível da comarca de Balneário Camboriú.