- A informação que gera opinião!

Júri condena autores de homicídio cometido por vingança

Condenados por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver, réus terão que cumprir penas de 16 e de 20 anos de reclusão.

Por Redação

9 de agosto de 2021

às 12:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 O Tribunal do Júri da Comarca de Criciúma condenou um homem e uma mulher pelos crimes de homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. Eles mataram a ex-cunhada do réu, a quem culpavam pela morte do irmão dele. O crime foi cometido com a ajuda do filho do réu, um adolescente que tinha 17 anos na época dos fatos e que era amigo da ré.

 Conforme a denúncia da 13ª Promotoria de Justiça da Comarca de Criciúma, Marcelo Maurício de Oliveira, com a ajuda do filho adolescente, e de Karina Goterra, amiga do jovem, matou Greciani Felipe Marques.

 A vítima era cunhada do réu, que acreditava que ela tinha envolvimento na morte do seu irmão, o qual se suicidou em 2013.

 Marcelo, seu filho e Karina planejaram o assassinato da mulher. Para atraí-la, o adolescente combinou um encontro amoroso com a vítima em sua casa. Ao chegar no local, a mulher foi surpreendida por Marcelo e pelo adolescente.

 Greciani Felipe Marques foi morta asfixiada com uma chave de braço e teve o rosto coberto por fita isolante. A mulher foi amarrada e levada no porta-malas de seu próprio carro até uma região afastada, na divisa dos municípios de Siderópolis e Treviso. 

 Marcelo, acompanhado do filho, enrolou o corpo da vítima em uma coberta e o escondeu na mata. Em seguida, atearam fogo no carro da vítima. Karina foi contatada e buscou os dois no local para a fuga. O terreno onde o corpo foi encontrado é de propriedade de um familiar de Karina que ajudou no plano.

 O crime ocorreu em 28 de dezembro de 2018 em Criciúma e o corpo da vítima somente foi encontrado em 4 de fevereiro de 2019, após o adolescente indicar o local, uma vez que as buscas de familiares e policiais não tinham surtido efeito, porque o local era de difícil acesso e localização. A identidade de vítima foi confirmada por exame de DNA.

 O Conselho de Sentença, seguindo a denúncia do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), considerou os réus culpados por homicídio triplamente qualificado – por motivo torpe, uso de asfixia, dissimulação ou emboscada -, ocultação de cadáver, corrupção de menor e dano qualificado.

 Maurício de Oliveira foi condenado a 20 anos, 8 meses e 20 dias de reclusão e ao pagamento de 10 dias-multa. Karina Goterra foi condenada a 16 anos e 4 meses de reclusão e ao pagamento de 11 dias-multa. Os réus também foram condenados pelo crime de dano qualificado, com pena de 8 meses de detenção.

 Os condenados não poderão recorrer em liberdade e terão que cumprir as penas em regime inicial fechado.

 A decisão é passível de recurso.

 Fonte: MPSC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

O casal também divulgou foto do homem e reprodução do boletim de ocorrência em que constava seu nome completo e outras informações pessoais.
As vítimas voltavam do trabalho quando aconteceu o acidente.
A medida visa permitir o integral restabelecimento dos serviços.